E se der certo?


A responsabilidade de dirigir o Flamengão será do Rogério Lourenço. Depois da cagada da diretoria do Flamengo de mandar um técnico embora na véspera do confronto mais importante do ano, eis que a solução vem de casa. 

Rogério sonha com futuro no profissional


Biografia
Rogério começou nas categorias de base do Flamengo, aos 13 anos de idade, sendo que, três anos mais tarde, em virtude do desmanche da zaga campeã de 87, já alcançava à condição de titular na equipe rubro-negra.

Em 1989, ainda como júnior, disputou o Mundial Sub-20, juntamente com Leonardo, Carlos Germano e Roger. Fez parte ainda da geração rubro-negra, campeã da Copa São Paulo de Juniores, em 1990, que contava com Júnior Baiano, Piá, Paulo Nunes e Djalminha.

Divulgação/Divulgação

Como profissional, defendeu o Flamengo, entre 1988 e 1994, tendo participado, ativamente, das conquistas da Copa do Brasil de 1990 e do Campeonato Brasileiro de 1992.
Rogério vestiu a camisa rubro-negra em 282 oportunidades, tendo marcado 27 gols, o que credencia-o como um dos maiores zagueiros-artilheiro da história do clube.
Depois que deixou o Flamengo, jogou pelo Cruzeiro, aonde foi campeão da Taça Libertadores da América, Guarani e Paraná. Em 1999, disputou a Terceira Divisão do Campeonato Brasileiro, vestindo a camisa do Fluminense.

Já em final de carreira, entre 2000 e 2001, Rogério teve uma segunda passagem pelo Flamengo, sem muito sucesso. Encerrou a carreira, em 2003, jogando pelo Vila Nova, de Goiás.

Pós-Carreira

Em 2007, Rogério passou a trabalhar como técnico das divisões de base do Flamengo. Em 2009, assume a Seleção Brasileira Sub-20[1] aonde é campeão do Campeonato Sul-Americano da categoria.

Ou seja, é funcionário do Flamengo. Como deveria ser todo técnico.  Avante Rogério!

Espero que você tenha gostado do texto. Aproveite e confira também:

Poste um Comentário




Próximo
« Prev Post
Previous
Next Post »
0 Comentários

Comente, sempre, com educação. Se você é do Twitter, do Facebook ou de outra rede social, deixe o seu contato para que eu possa agradecer.
Ah, não esqueça nunca: UMA VEZ FLAMENGO, SEMPRE FLAMENGO!