Vini, Vidi, Vici!



Nem quis ver. Sei que rolou despedida na Fla TV pro Gerson o 8 do Flamengo de 19. Mais um que vai embora para minha tristeza e para me deixar ainda mais saudosa dos momentos maravilhosos de um Flamengo que não teremos mais. 

O cara que chegou aqui com muita vontade de fazer a diferença, que comemorou a contratação nas ruas de Roma e que jogou demais com a lendária 8 do Flamengo. Ele vai fazer falta. 

Infelizmente, o Flamengo ainda não é um clube para craques de bola no auge da carreira, financeiramente falando. Com o real desvalorizado, a historia de clube fornecedor fala mais alto e a gente precisa entender isso. Gerson está nesse patamar. 

Ainda assim, o Gerson faz parte de um grupo seleto de jogadores que completaram um ciclo de conquistas no Flamengo e que vai ser lembrado por muito tempo como referência de talento e dedicação ao Manto. Ele veio e conquistou. 

Você pode lembrar do Gerson como o Coringa, vai fazer o Vapo pra homenageá-lo, mas a frase do título desse post o descreve a linda passagrm que ele teve por aqui.

Vini, Vidi, Vici! 

Boa sorte, Gerson. Seja feliz e, quando voltar, volte pra casa. 

Um blablabla que não tem fim!




Não é de hoje que a CBF e o Flamengo se estranham. E te garanto que continuará assim por um bom tempo. Cabe ao Flamengo, trem pagador do futebol brasileiro, colocar a CBF no seu devido lugar.

Há quem ache que o rubro negro é arrogante ao se considerar o trem pagador do futebol brasileiro. Mas me diz aí: contra quem o time sem tanto apelo popular joga e consegue patrocínio pontual?  Contra quem o adversário joga o jogo da vida porque é a grande chance de aparecer para o mercado?  Obviamente, ter essa posição no futebol traz prós e contras e o Flamengo vem abraçando os contras injustos e os prós mais justos.

Como se não bastasse ter tirado dois titulares do Flamengo para uma Copa América esvaziada que sem apelo popular, a CBF convocou o Pedro para as Olimpíadas, mesmo com o clube avisando que não o liberaria. Sim, diferente da Copa América, as Olimpíadas não é data fifa, que o clube é obrigado a liberar jogador.

O Flamengo avisou que não liberaria o Pedro justamente por causa dos desfalques provocados pela Copa América. Não só Everton Ribeiro e Gabigol estão servindo o time da CBF. Há os estrangeiros que estão com as seleções, como Arrascaeta e o Isla.



Como se fosse um cabo de guerra, o Flamengo diz que não libera o jogador, a CBF o convoca e o Pedro, que merece a convocação porque vem fazendo um belo trabalho no clube, fica no meio desse imbróglio, querendo ir para as Olimpíadas mas tendo que respeitar quem paga o salário dele.

A gente pode reclamar da CBF, a CBF pode fazer o papel de vilã, o Flamengo pode defender os seus direitos e pleitear a criação de uma Liga que tira o poder da CBF. Inúmeras coisas ainda podem (e devem) acontecer envolvendo CBF e Flamengo.

Porém, uma coisa a gente tem a certeza: esse blablabla está longe do fim.

Ao Pedro, meus parabéns pela convocação.

2/38: Dia de Vapo!


Foi o segundo jogo do Flamengo no Brasileiro, mesmo sendo da terceira rodada. A vitória veio, com gols de Bruno Henrique e Rodrigo Muniz, a boa atuação aconteceu e pelo quarto jogo seguido, a defesa, que é a maior preocupação da torcida, não sofre gol. Para completar, só mesmo falando que foi o dia do Vapo, o dia que o Gerson só não balançou as redes. Jogou demais o 8 do Mengão. 

Entramos em campo com o time todo desfalcado e nem por isso o Flamengo deixou de jogar como vem jogando com os titulares. Com Vitinho procurando jogo e Bruno Henrique bem, o 1x0 foi questão de tempo. O segundo gol foi do Rodrigo Muniz, numa típica jogada de centroavante. 

Mas antes (e depois também) de sair esse gol, tivemos show de bola do Gerson. Teve bola no travessão, teve defesa dificil de goleiro, teve passes que atacantes não aproveitaram e teve entrevista no fim do jogo em tom de despedida. Seja feliz, Gerson. Muito Vapo pra você! 

Outras coisas aconteceram nesse jogo. Poderia falar do penalti não marcado em cima do Ryan, mesmo com VAR a disposição. Poderia falar que o meu coração de torcedora se acalma com Diego Alves e Rodrigo Caio na defesa. Poderia falar que o time do Rogerio Ceni vem melhorando o desempenho, independente  dos  jogadores que estão em campo. 

O Flamengo vem melhorando e isso é bom demais. 

Nosso próximo jogo é contra o Coritiba, pela Copa do Brasil. É o segundo jogo, da classificação. 

É meu maior prazer, vê-lo brilhar! 

1/38: Coloca pontos na tabela e tempo na freguesia, por favor!




O bicampeão do Brasil estreou com vitória no Brasileirão. Com um gol do Pedro e ótima atuação do Diego Alves, principalmente no primeiro tempo, colocamos mais um tempo na freguesia que o Palmeiras tem conosco. Até perdi a conta, acredita?

Foi um primeiro tempo muito ruim de se ver. Com um time confuso no meio de campo, com Diego e Gerson jogando praticamente no mesmo espaço de campo, ER 7 e Arrascaeta não conseguindo dar continuidade nas jogadas, as opções para o ataque ficaram restritas a individualidade de cada jogador (o que não é novidade no Flamengo atual). Sorte nossa que Diego Alves esteve inspirado e que o Palmeiras é time de uma jogada só. Graças a esses dois fatores, não saímos no primeiro tempo com uma derrota.

Já no segundo tempo, amassamos o time do Palmeiras. Jogamos bem. Com Gerson jogando melhor e Diego sem prender tanto a bola além de jogar numa faixa de campo diferente do primeiro tempo, Arrascaeta e Everton Ribeiro conseguiram dar continuidade as jogadas. E numa jogada que tanto nos acostumamos a ver, Bruno Henrique disparou pela esquerda do ataque e passou para o Pedro, que completou um lance de puro oportunismo.

A vitória contra um candidato ao titulo, numa estreia de campeonato, é para comemorar. Os três pontos num campeonato de pontos corridos é o máximo que pode-se conquistar e assim foi feito. Mengooooo!

Notas das Atuações:
  • Diego Alves - melhor em campo. Nota 9
  • Isla defendeu bem, atacou mal. Nota 6
  • Willian Arão - não trouxe problemas pra zaga. Nota 7
  • Rodrigo Caio - ganhou mais disputas que o Arão mas faz umas faltas desnecessárias. Nota 7
  • Filipe Luís - um monstro na defesa e ajudou BH no ataque - Nota 8
  • Diego - rodou muito com a bola no primeiro tempo. Melhorou depois. Nota 7
  • Gerson - a displicência que joga em muitos momentos irrita. Nota  7
  • Everton Ribeiro - quando começou a jogar bem, foi tirado no jogo. Nota 7
  • Arrascaeta - perdido no primeiro tempo, achou um espaço no campo para jogar no segundo. Nota 7
  • Pedro - artilheiro nato. Belo carrinho pro gol. Nota 8
  • Bruno Henrique - quando ele joga bem, as coisas ficam melhores para a gente. Nota 8
  • Michael- perdeu um gol na cara do goleiro. Nota 5
  • Hugo Moura - quase não vi jogando
  • Rodrigo Muniz - entrou mesmo?
Com o duelo contra o Grêmio adiado pelo Brasileiro, o Flamengo joga só no dia 13 contra o América-MG, às 20h30, no Maracanã. Antes disso, no dia 10/06, o time enfrenta o Coritiba, pela Copa do Brasil. Será que podemos acreditar que o Rogério vai treinar mais o time nesses 10 dias de folga de jogos oficiais? A esperança é a última que morre.

Saudações!

Uma vitória para comemorar!




Se tem uma coisa que aprendi a comemorar são as vitórias do Flamengo. Quando é na Libertadores, na casa do adversário, com o gol da virada sendo um golaço e com uma boa atuação de vários jogadores, é até complicado falar dos mesmos erros de sempre.

Ainda bem que, no Flamengo, para cada erro do Gustavo Henrique, temos um gol do Gabigol. Para cada bobeada da defesa, temos um gol do Arão. E para cada atuação ruim do Everton Ribeiro, tem Arrascaeta decidindo. Isso sem falar na atuação sem passe errado do Gerson e da disposição do Diego.

Aliás, pelo jogo de ontem, ficou claro que nem o Diego a 110% consegue suprir as falhas de marcação da entrada da área do Flamengo. Ele e Gerson não conseguem fazer a cobertura dos laterais, preencher os espaços da marcação entre as linhas defensivas. Ou Rogério ajeita a marcação alta e os jogadores saem para marcação sem medo de errar, como era com o Jorge Jesus ou esse espaço e a não cobertura dos laterais continuarão fazendo o Flamengo levar gol todo jogo. O sistema defensivo do Flamengo continua sendo uma mãe para os adversários. 

Aliás, uma coisa que me irrita bem é a marcação alta que o time não consegue fazer com eficiência. Não tem como Bruno Henrique e Gabigol marcar com linha alta e na próxima linha, ter um espaço imenso na marcação porque defensores ficam plantados na intermediária, dando espaço ao ataque adversário. No jogo contra o Velez, aconteceu umas 4 vezes, só no primeiro tempo.

Começar com vitória na Libertadores é um bom início. É pra comemorar! O time não foi 100% mas teve os seus méritos no ataque, o que facilita a vida do técnico e dos próprios jogadores. Na próxima semana tem mais Libertadores. No sábado, tem a decisão da Taça Guanabara, que pode fazer o Flamengo entrar com vantagem nas finais do Carioca. A pergunta da vez é: vamos com os titulares ou com os reservas?



Aquele que conquista!




No início de 2019 eu recebi a melhor notícia que eu poderia receber e não foi a contratação do Bruno Henrique ou do Gabigol. A expectativa de ter um novo membro da família, que veio para trazer amor e nos unir cada vez mais, me trouxe um amor que já conhecia. Mas mal sabia que a chegada do Vicente, que significa  "o que vence", "aquele que conquista", do Gabigol e do Bruno Henrique iria ser um marco para que o Flamengo mudasse o patamar com conquistas de títulos de maneiras inimagináveis. A coisa do "só acontece com o Flamengo" que antes vinha de maneira negativa passou a nos acompanhar em momentos únicos, de vitórias inesquecíveis.

O fato é que o Vicente nunca viu o Flamengo perder um título. Nem quando o adversário teve gol anulado e o jogador isolou a bola na entrada da área no último minuto. Nem quando tudo parecia perdido, dois pênaltis contra numa disputa pra acabar. Nem quando o goleiro pegador de pênalti estava do outro lado. Nem quando o técnico substituiu jogadores possíveis cobradores de penaltis e tivemos que ter o Michael (teve rubro negro ateu nessa hora?) definindo uma disputa. Nem quando o sentimento de "dessa vez não vai dar" já dominava boa parte dos flamenguistas. Não foi dessa vez, Vicente!

A virada na disputa dos pênaltis, com o Flamengo em desvantagem em 2 gols, com goleiro desacreditado fechando o gol, jogador improvável convertendo pênalti é mais uma história flamenga que contarei para o Vicente quando ele crescer e precisar dormir. Não contarei história de bichinho.... Contarei as histórias que esse time me fez viver. Contarei que vi um timaço do Flamengo fazendo história e que não aproveitei como deveria, mas aproveito o máximo que posso.

O Flamengo vem fazendo história e os títulos conquistados não só colocam o nome dos jogadores da história do clube como enchem nosso coração de alegria nesses tempos tão complicados. A gente precisa mesmo de alegria no coração.

É o oitavo título de um pessoal que acredita até o fim. Que não se dá por vencido. Que luta até onde dá. É aquele que conquista!  Que, invariavelmente, traz a alegria de ser rubro negro a tona.

Somos torcedores sendo agraciados por um momento especial do clube. Isso é uma sorte e oportunidade que não é todo torcedor que tem.

Vamos mirar no próximo título, Mengão!