A hora dos sabichões aparecerem!





Depois de quase 4 anos, entramos na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Para você, Flamenguista, ter idéia do que é isso, durante todo o período que a Patricia Amorim esteve à frente do Flamengo, não estivemos na posição que estamos hoje. E mão ache que que isso é uma defesa da Patricia Amorim: se manter fora dessa zona não é mérito, é obrigação. Assim como estar dentro dela é demérito. No Flamengo, é assim.

Estamos na zona de rebaixamento na quarta rodada do Brasileirão. Não é nada, não é nada, não seria nada se quem entrasse em campo estivesse honrando com a tradição do Flamengo. E o Flamengo, que no seu hino tem o "vencer, vencer, vencer", foi feito pra ganhar. Entenderam? Para ganhar!

Por isso, nesse momento difícil, convoco os sabichões rubro negros. Essa é a hora para as pessoas que sabem tudo aparecerem. Vamos lá, mostrem a sua cara! O Mengão precisa de você, sabichão.

Aos sabichões que acham que jogam mais do que jogam, aos que acham que podem ditar forma do torcedor se relacionar com o Flamengo ou que tem a certeza que eu não posso reclamar do Flamengo, agora é a sua hora. "Se consagra, filhão"!  Geralmente, nos momentos difíceis, os sabichões salvam a pátria com atitudes inesperadas. Estou esperando.

Enquanto eles não aparecem, os que não devem ser sabichões que não podem reclamar vão aturando a péssima fase que o Flamengo atravessa em campo, com um técnico que continua perdido e jogadores que batem a cabeça em campo, sem comando técnico.

Continuo curtindo o Flamengo, talvez de um jeito que os sabichões não concordem. Mas assim como eles não estão nem aí para mim, eu não estou nem aí para eles.

Esse pós jogo não tem notas da atuação nem observações mais profundas. Mas tem uma certeza: próximo sábado, estarei na frente da TV, novamente esperando o Mengão entrar em campo.

Afinal de contas, é meu maior prazer, vê-lo brilhar!



Comente:



Um comentário:

  1. É, Dani, a coisa está feia mesmo e o meu maior medo está se concretizando: ver as pessoas que eu achava serem capazes de tirar o Flamengo do buraco totalmente perdidas.
    Acho que a demissão do Jorginho é apenas parte da solução do problema. Neste ano, os resultados do futebol são pífios, não conseguimos chegar a uma final de turno sequer do pavoroso estadual e isso deveria servir como sinal de alerta para o Wallim e para o Pelaipe. Mas não foi isso o que aconteceu, infelizmente.
    Pensei sinceramente que este ano seria diferente, que a época das trevas de Paty e Cia ficaria para trás, mas só vejo o clube saneando aqui, economizando ali e o futebol sendo abandonado à própria sorte, isso dói pra cacete, numa boa. O orgulho que sinto em vestir a camisa do Flamengo e sair pela rua deveria ser sentido por cada pessoa que trabalha no Flamengo, porque assim não precisaríamos ver um dos amores de nossas vidas ser tão judiado, humilhado, sacaneado.
    Uma frase que aprendi no Exército e que se aplica hoje ao Pelaipe, ao Wallim e até mesmo ao nosso Presidente Low-Profile Eduardo Bandeira de Mello: "Não quero saber se o pato é macho, eu quero é comer o ovo." Façam alguma coisa e parem de choramingar pelas dívidas, vocês sabiam o tamanho do problema, mexam-se!!!
    Parabéns pelo post, Dani, você é excelente!
    SRN

    ResponderExcluir

Comente, sempre, com educação. Se você é do Twitter, do Facebook ou de outra rede social, deixe o seu contato para que eu possa agradecer.
Ah, não esqueça nunca: UMA VEZ FLAMENGO, SEMPRE FLAMENGO!

Tecnologia do Blogger.