Image Map

29 de abril de 2010

Entrevista com a Patricia Amorim


Entrevista da Patricia Amorim a revista Marie Clarie

"Casei com o Flamengo e não me culpo por isso"

Aos 5 anos, ela cruzou a Baía de Guanabara a nado. Aos 21, tornou-se a nadadora de maior prestígio do Brasil, com 29 recordes sul-americanos. Hoje, Patrícia Amorim exerce seu terceiro mandato como vereadora e é a primeira mulher a assumir a presidência do time de futebol com a maior torcida do país. Para entender como ela conseguiu tudo isso sem descuidar dos quatro filhos, do marido e das 800 crianças carentes que ensina a nadar, Marie Claire passou três dias com essa intrépida carioca

Por Marina Caruso

Existem duas Patrícias. Uma acorda todos os dias às 7h, caminha com a mãe, a professora Tânia Amorim, no condomínio onde mora, na Barra na Tijuca, e, depois, toma café da manhã com os filhos Vitor, de 13 anos, Ricardo e Daniel, de 8, e Leonardo, de 3. Ela é doce e divertida. Seca o cabelo enquanto o caçula corre pela casa, fazendo graça com o bumbum de fora, e palpita na camisa do marido, o economista Fernando Sihman. A outra Patrícia não tem família, nem marido. Casou-se com o Clube de Regatas do Flamengo, instituição do futebol com a maior torcida do País. Foi lá que, aos 8 anos de idade, ela conquistou seu primeiro campeonato brasileiro de natação e, mais de três décadas depois, um feito inédito: ser a primeira mulher a assumir a presidência do clube, em 114 anos. Essa Patrícia, 41 anos, não se importa com a antipatia de um setor extremamente machista e não tem medo de encarar estrelas do gramado como o imperador Adriano. Seu livro de cabeceira é Audácia da esperança, best-seller escrito por Barack Obama antes de assumir a presidência dos EUA. "Ele é o cara. Não o Lula", diz, antes de discorrer sobre a clássica diferença entre "dar o peixe" e "ensinar a pescar", uma máxima do PSDB, partido pelo qual se elegeu vereadora nas últimas eleições municipais do Rio de Janeiro. "A vitória é inebriante, vicia. Por isso é preciso saber a hora de parar", afirma.

É aí que entra em cena uma terceira Patrícia, um híbrido das duas anteriores, que já chorou de culpa por não estar presente no aniversário dos filhos, que sonha com o dia em que fará uma viagem romântica com o marido e que, com seu sorriso, é capaz de seduzir do juiz ao gandula. A seguir, o melhor de todas elas.

Marie Claire Você tinha só 5 anos quando nadou 1.800 metros da Baía de Guanabara. De quem foi a ideia? 

Patrícia Amorim Eu já nadava fazia dois anos, porque minha irmã Paula, que é três mais velha, sofria de asma e foi para a piscina por recomendações médicas. Acabei indo junto para facilitar a vida da minha mãe. Foi ela que nos inscreveu nessa travessia. Eu era a mais nova do grupo. Não deixaria meus filhos participarem de uma coisa dessas. Mas minha mãe diz que era seguro porque tinha um médico acompanhando num barquinho... 

MC Que lembranças você tem desse período da infância? 

PA Morava com meus pais em Botafogo e nadava ali perto de casa. Nas minhas primeiras aulas, ia até o fundão da piscina, batia o pé e voltava. Era uma delícia. Quando fiz 6 anos, nos mudamos para a Selva de Pedra [conjunto habitacional de classe média], em frente ao clube do Flamengo, na Gávea. Meu pai [o aposentado Renato Amorim, 72 anos] trabalhava com revelação de fotos e abriu uma lojinha dentro do clube. Só que ele era Fluminense roxo. Foi assim até eu ser eleita, sabia? Lá em casa, só as mulheres eram flamenguistas. 

MC Em 1984, depois de treinar duro para ir às Olimpíadas de Los Angeles, você teve sua participação vetada pelo Comitê Olímpico Brasileiro por falta de verba. Dessa revolta nasceu sua veia política? 

PA O Brasil ainda sofria os resquícios do regime militar e o presidente do COB era um major autoritário, com verbas limitadas e nenhum critério técnico. Eu nadava muito bem porque, como não havia antidopping, e as alemãs levavam todas, me preparava competindo contra os homens, treinava pesado. Fui classificada com grande vantagem, mas, para minha surpresa, por falta de verba, as nadadoras foram cortadas. Só os homens foram competir. Foi muito, muito doloroso. 

MC Nessa hora, você chegou a desejar ser homem? 

PA Claro! Principalmente quando soube que o veterinário e o treinador do cavalo do hipismo tinham ido às Olimpíadas! As mulheres dos dirigentes também. Mas as atletas não. Me revoltei e decidi estudar política esportiva. 

MC Mas você só tinha 15 anos. Não é muito cedo para fazer política? 

PA Sempre fui à frente do meu tempo. Pulei um ano na escola. Me alfabetizei com 5 anos e fiz vestibular aos 16. Passei direto para a Universidade Federal do Rio de Janeiro, em Educação Física. Os atletas precisam de uma formação, de uma carreira. Uma hora, as vitórias e a juventude acabam. 

MC Esse é seu terceiro mandato como vereadora. De onde veio a ideia de se candidatar? 

PA Em 2000, eu era a representante do esporte olímpico do Flamengo. Queríamos lançar um candidato que lutasse por uma política esportiva mais eficaz na Câmara, e essa pessoa era a Georgette Vidor [coordenadora técnica da Seleção Brasileira Feminina de Ginástica Artística]. Mas como as eleições para vereador sempre caem em ano olímpico, ela, que treinava as atletas do clube, não poderia concorrer. Começaram, então, a aparecer uns candidatos esquisitos, líderes de torcida, empresários que não sabiam nada sobre o clube. E eu disse: "Quer saber? Se qualquer um pode, eu também posso". Aí o Fernando, meu marido, que era do mercado financeiro, resolveu me ajudar na campanha. Menina, ele virou um trator! O bicho gosta de uma campanha, viu? Arrecada, organiza, une, faz placa, tudo. 

Fernando [na sala, dando opinião] Larguei meu trabalho pra ficar com ela. A gente se completa de um jeito muito legal. Se era pra fazer campanha, tinha que ser do melhor jeito, o meu [risos]. 

MC Como vocês se conheceram? 

PA Foi quando ele jogava vôlei. Nos vimos pela primeira vez em 1993, numa competição em Israel. Ele me desafiou e achei aquilo interessante. Como ele é economista de formação, me perguntou: "E aí, moça? O que você faz com o seu dinheiro?" Achei engraçado e disse: "Por não ter muito, eu gasto". Fiquei com aquilo na cabeça. Um ano e quatro meses depois, nos casamos. 

MC Como é trabalhar com o marido, cuidar de quatro filhos, de três escolas de natação e atuar como vereadora? Dá para namorar? 

PA Pois é... é que esse marido é fantástico. Não existe em lugar nenhum um igual. Ele me defende, me apoia, me acolhe. Mas eu também me casei com o Flamengo e não me culpo por isso. Sei que nossa relação de marido e mulher ficou até para segundo plano. Mas ele vibra junto comigo. A afinidade é tanta que ele fala o que eu estou pensando, antes de mim. É impressionante. Somos opostos complementares. Ele é impulsivo, exigente, autoritário. Eu não, sou permissiva, tenho uma superpaciência, engulo sapo, tenho a maior dificuldade em ser dura, sabe? 

MC E como você pretende lidar com jogadores estrelas, tipo o Adriano? 

PA Aí a coisa muda de figura. Fui atleta e sei como é isso. É olho no olho. "Treinou, tá dentro. Não treinou, tá fora." 

MC Houve algum momento em que você não bateu sua própria meta? Qual é sua frustração como atleta? 

PA Minha maior realização foi chegar às Olimpíadas, e minha maior frustração foi voltar de lá. Perdi a referência do que eu queria. Treinei a vida inteira para ir para lá. E aquilo não fazia mais sentido pra mim, não tinha mais graça. Tem gente que vai duas ou três vezes, mas não era o que eu queria. Voltei para cá, me formei na faculdade, abri minha primeira escola de natação no Alto Leblon [atualmente, além dessa escola, Patrícia administra duas outras unidades, na Barra] e decidi que eu ia trabalhar para valer. Queria passar minha experiência a outras pessoas. Queria militar. Não tinha mais graça ficar só de um lado para o outro da piscina. 

MC Como foi o dia da vitória no Flamengo? Ficou nervosa? 

PA A apuração dos votos é feita ali, na sede do clube. À medida que as urnas iam sendo abertas, a aflição aumentava. Eram seis candidatos e eu, a única mulher [além de Patrícia, a única mulher a presidir um grande time de futebol na história do País foi Marlene Matheus, viúva do lendário Vicente Matheus, que chefiava o Corinthians]. Uma hora, vi um monte de jornalistas se aproximando e perguntei se eles achavam que eu ia ganhar mesmo. "Parece que sim, viu", disseram. De repente, vi uma multidão de microfones e câmeras vindo em cima de mim. Fiquei tão sufocada que virei pro Vitor, meu filho, e disse: "Vamos fugir pra piscina?" Pulei de roupa e tudo, com ele. Foi uma loucura. Deu uma foto linda e eu consegui respirar. 

MC Durante a campanha para presidente, você sofreu muito preconceito pelo fato de ser mulher? 

PA O quê? Teve até um candidato que, ao perceber que eu estava me sobressaindo, foi à TV dizer: "Alô, flamenguistas, votem em mim. Eu sou homem". A desconfiança por eu ser mulher é tanta que não basta que eu faça uma gestão tão boa quanto um homem faria. Tenho que fazer uma muito melhor. 

MC Agora, o Flamengo tem uma dívida de R$ 330 milhões. Por melhor que você seja, não fará milagres... 

PA Mas posso melhorar as instalações do clube, aumentar o número de sócios e fortalecer o marketing do time, com sacadas como a trancinha do Vagner Love [marca registrada do novo atacante do time, que agora é vendida como adereço para o torcedor]. 

MC Como é sua rotina na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro? Quem é seu colega mais próximo? 

PA Ali, é uma lição diária. São 51 vereadores, todos gentis e educados. Mas, se você não concorda com o projeto que eles estão defendendo, não pode se deixar seduzir por essa simpatia. Tem que votar contra mesmo. É um drama, então eu acabo sempre me reportando ao Stepan [Nercessian, ator e vereador eleito pelo PPS], que é meu grande mentor e amigo. Todo mundo está ali para fazer uma cidade melhor, mas cada um tem seus interesses políticos próprios, então é impossível não conflitar. 

MC Você tem algum desejo que gostaria de realizar antes de morrer? 

PA Adoraria colocar uma mochila nas costas e dar uma volta pela Europa com meu marido, sem as crianças, só nós dois. Ah [suspira], que vontade eu tenho de sentar numa praça com ele e olhar a vida passar, sem compromisso... porque minha vida é agitada demais. 

MC O Fernando não reclama disso? Não cobra sua atenção? 

PA Não. Nem eu. Há uns cinco anos, eu ainda reclamava. "Ah, meu Deus, não tenho tempo para nada. É tanto filho, tanto trabalho que não dá para namorar." A partir do momento que parei de me cobrar, passei a viver melhor. Isso não precisa ser um carma. Eu amo o meu trabalho e não tenho como viver feliz com os filhos e a família se eu não estiver bem comigo. 

MC Em casa, é mais: "Mãe, posso isso?" ou "Pai, posso aquilo"? 

PA É mais pai do que mãe. Os gêmeos [Ricardo e Daniel] e o caçula [Leonardo] não desgrudam do pai. Chamam o Fernando o tempo todo. Já o Vitor, meu mais velho, é grudado em mim, se parece com o pai. Ele briga, bate porta, esperneia, mas é um doce. O Fernando é igual, superbravo com os outros, mas um amor comigo. Isso sem falar no quanto ele lê, discute política, cultura, economia, tudo. Sabe aquela pessoa que você tem que estar do lado [visivelmente emocionada] porque te ensina e agrega? Esse é o Fernando. Além de um excelente pai. Aliás, muito melhor do que eu como mãe. 

MC Por que você diz isso? 

PA Eu já sofri muito por trabalhar tanto. Hoje sei que esse é meu jeito de ser feliz e que, já que é assim, devo zelar pela qualidade do tempo que dedico aos meus filhos, não sofrer pela quantidade que deixei de dedicar. Todas as manhãs tomamos café juntos, e à noite, quando não chego em casa a tempo de jantar com eles, pelo menos dou um jeito de conversar um pouquinho com cada um. Durante o dia, se algum dos meninos precisar falar comigo, basta ligar no celular. Se um deles ficar doente, se machucar ou tiver um febrão, eu chamo a Silvana ou a Raquel [secretárias que "cuidam" dos compromissos de Patrícia na Câmara dos Vereadores e no Flamengo], checo as reuniões, peço para cancelar o que puder. 

MC Mas sente alguma culpa que não conseguiu superar? 

PA Sim. O aniversário de 6 anos dos gêmeos, dia 28 de fevereiro. Estava tudo pronto para a festa. Coloquei a mesa, o bolinho, as velas, e quando os convidados iam chegar, me chamaram para uma reunião extraordinária na Câmara. Era uma coisa ligada ao Pan e eu tinha que estar lá. Fui, mas, por causa do trânsito, não voltei a tempo. Vim chorando do Centro até a Barra. 

MC Quem ajuda os meninos a fazer o dever de casa, estudar para a prova? 

PA A gente faz junto. Cada um dá uma força num horário, conforme sua agenda permite. Mas, olha, até disso não posso reclamar. O Vitor, que é superbagunceiro, não tem nota menor que 8, e os gêmeos são brilhantes, só tiram 9,5 e 10. Um deles já faz até raiz quadrada, acredita? Ai, meu Deus, não tenho estrutura pra ter filho muito inteligente, não [risos]. 

MC O que você faz quando precisa dar umas boas risadas? 

PA Ligo pra Débora, uma superamiga que é ruiva, sardenta e grandona. Se meu dia estiver pesado por causa de alguma discussão de trabalho ou pessoal, é para ela que eu ligo. Ela levanta o astral de qualquer um. É muito engraçada. Falamos dos galãs e das musas da novelas, de bobeiras, de coisas leves. Contra dor de cabeça, isso é melhor do que qualquer Novalgina. 

MC E olha que você gosta de uma Novalgina, né [na estreia de Vagner Love no estádio Engenhão, Patrícia tomou duas]? 

PA Todo mês, antes de ficar menstruada, minha cabeça dói. Tomo duas Novalginas, deito por 20 minutos e espero passar. Só que, no fim do ano, com o estresse da campanha para presidente, não passava. Fiquei dez dias acordando e dormindo com dor e acabei no médico, achando que era um aneurisma, um tumor, sei lá. Mas era tudo estresse, pressão. 

MC O que o médico receitou? 

PA Ele me obrigou a caminhar todos os dias pela manhã e receitou Frontal [ansiolítico de tarja preta] para dormir. Como os dias eram muito agitados, eu não desligava. Tomava o remédio só para dormir, mas andava com ele na bolsa e oferecia para os amigos de campanha que iam caindo. Virou até brincadeira entre a gente: "Estressou? Toma o remedinho da Patrícia". 

MC É verdade que você escondeu a gravidez de gêmeos durante sua segunda campanha para vereadora? 

PA É, sim. Eu só fiquei sabendo da gravidez quando já era oficialmente 
candidata. Não queria desistir da candidatura e muito menos da gravidez. Mas não dava para expor aquilo assim, senão, mais uma vez, eu ia ser a "mulherzinha frágil", sabe? Fiquei bem quietinha e fui subir morro, visitar população carente, ainda sentindo um ou outro enjoo. Sabe o que é? Eu tenho um probleminha, que sou meio... 

MC Coelha? Por isso você teve tantos filhos, mesmo com tão pouco tempo para namorar? 

PA É [risos]. Estava procurando uma palavra, mas é isso mesmo. Engravido com a maior facilidade. 

MC Facilidade essa que você não tem para tirar suas licenças a maternidade, não é mesmo? 

PA É. Não dá pra tirar. São 30 dias, no máximo. Eu tenho que trabalhar, não posso ficar parada. Antes do Vitor, não dava pra tirar por causa do Flamengo e dos campeonatos de natação. Depois, por causa da Câmara. Dou a BCG, aquela vacina importante, e já saio com a criança embaixo do braço. Amamentei o mais velho até um ano e quatro meses. Depois, com os demais, confesso que parei nos três meses mesmo. Ah, não tinha necessidade. Todo mundo cresceu forte e tudo bem. Tem nenê que nasce e a mãe morre no parto, não tem? O filho morre? Não, sobrevive. Não dá pra pirar com esse lance de filho, não. As coisas são como têm que ser. 

MC Quando foi a última vez que vocês tiraram férias? 

PA Férias [risos]??? Nem sei o que é isso. 

Fernando Ah, Pat, no ano passado a gente tirou os três dias do Natal e, em julho, passou uma semana com os meninos na Disney. 

PA O Leózinho gostou tanto que até dizia: "Mamãe, por favor, eu não quero voltar pra casa, quero morar aqui no hotel". 

MC No dia a dia, qual é a coisa que mais tira você do sério, irrita? 

PA São duas coisas. A primeira é dizer o que eu vou ter que fazer. Tem que ter muita habilidade para isso. O Fernando tem [olha pra ele estabelecendo cumplicidade]. A outra é: durmo e acordo com a minha agenda, que adoro cumprir mesmo quando está lotada. Me preparo psicologicamente para aqueles milhões de coisas e, por isso, fico furiosa quando algum compromisso sai da agenda, ou entra, de última hora. Detesto isso. 

MC E qual é a coisa que mais enche você de prazer? 

PA A alegria das 800 crianças que eu atendo no Instituto Novos Talentos. Criei o projeto em 2003 para ensinar crianças e adolescentes carentes a nadar. No início, tive ajuda da prefeitura, que pagava professores e o aluguel da piscina do Flamengo. Depois, mudou o governo e cortaram a verba. Aí, me ocorreu o seguinte: vou chamar os amigos nadadores. Só eles vão entender a importância de um projeto como esse. Chamei um grupo enorme e avisei: "O negócio é o seguinte: cada criança custa 5 reais. Quem puder dar 20 vai ajudar quatro. Não importa se com 5 reais ou com 50, vocês têm que entrar". Deu certo. No fim do ano passado, consegui um patrocínio de R$ 270 mil da Light. É lindo ver a alegria daquelas crianças das favelas da Rocinha, da Cruzada e do Vidigal ali na piscina. Você tem que ver aqueles olhinhos brilhando...

Nosso grande reforço

                 Ronaldo foi marcado de perto e não conseguiu uma                     conclusão sequer a gol no primeiro tempo

Com um primeiro tempo digno de jogo de water polo, conseguimos arrancar uma vitoria em um gol de penalti em cima do melhor jogador do Flamengo em campo. 

Junto com o Juan, a atuação excelente do Léo Moura, do David e do Romulo deu uma aliviada na Nação. 

Se jogamos com um a menos graças a estupidez do Michael o Corinthians também jogou com a inoperância do Ronaldo.  Sorte nossa que a atuação dele foi pífia. E ele foi um grande aliado. Nervoso. Na bola que ele podia decidir, a bola bateu na canela e foi para o lado contrário. "ZagueiraSSo"!!!

No mais, reforçou a máxima que a camisa do Flamengo pesa.  Jogamos, finalmente, entendendo o que é Libertadores.  

=====

A vantagem que foi conquistada hoje não é boa não. Infelizmente. 

=====

Será que o Michael ainda veste a camisa do Flamengo?

=====

E como foi vaiado e xingado pela torcida no último jogo, o Adriano tem o direito de não comemorar com a torcida. Ele a respeita e não a manda calar a boca, como jogadores já fizeram. É um direito dele, mas é dever fazer gol sempre.


28 de abril de 2010

Vai encarar?



Se a expectativa é grande, corinthiano tem que saber o que vai enfrentar. Vamos pra cima deles Mengo!!!

27 de abril de 2010

Lição do gambá

pepelegamba

"Os gambás são animais de movimentos lentos e de pouca agilidade, exceto para trepar em árvores, utilizando a cauda preênsil". (Wikipédia)

Leia-se:

Vamos arrebentar com velocidade porque eles gostam de usar o que está atrás. 

Entendido?

=====

Gostou no novo layout?? Comente!

Expectativa

´
Bruno, Léo Moura, David, Ronaldo Angelim, Juan; Romulo, Maldonado, Willians, Micael; Adriano e Love;

Esse é o time do Flamengo para o jogo do ano, até então. O Maracanã estará com mais de 80 mil pessoas. O técnico do time da CBF estará no Maracanã. Estarão em campo dois dos maiores atacantes que o país produziu nos últimos tempos.

Quem falhar, sairá como vilão. Quem apostar no Ronaldo e no Adriano, tem grandes chances de ganhar. Um ou outro vai se destacar. Espero que o Adriano. Saber que ele foi parado em uma blitz e passou no teste do bafômetro não me alegra. Me alegraria se ele estivesse em casa, descansando. Não adianta não beber e estar a gandaia, sem o repouso devido. Amanhã, ele colocará sua escalação para a Copa em jogo. Mais do que nunca.

A minha expectativa é que quem vai desequilibrar é o Vagner Love.  Ele deverá ser o jogador que, com a sua disposição, fará a diferença. Outro jogador que pode fazer a diferença é o Léo Moura.

Os outros jogadores, se não comprometerem, estará ótimo. 

E a minha confiança para o jogo de amanhã é igual ao jogo contra o Grêmio. Não há quem tire essa vitória do Flamengo amanhã. 

Nação Twitteira



Você não pode perder!!!!

A maior torcida do mundo faz a diferença


Quero ver dizer que não é a maior!!!

26 de abril de 2010

Contastação nº2

Contastação nº1

24 de abril de 2010

Carta aberta à MAGNÉTICA FUDEROSONA PICA MASTER




A semana foi conturbada. Tivemos notícias de todos os naipes, e muitos estão contrariados com os acontecimentos.
Mas existe um fato que está acima disso tudo: o jogo de quarta.
Portanto, é hora de deixarmos de lado opiniões, raivas, melindres, descontentamento.
Urge a necessidade de sermos RubroNegros acima de tudo. É dever cívico. Obrigação.
É hora de INVADIR O MARACANÃ. Se o dia 6 de dezembro de 2009 foi o dia mais importante do ano, o dia 28 de abril será o primeiro dia mais importante de 2010.
É hora de meter a mão no bolso e comprar o ingresso. É hora de gritar mais alto, de fazer o Maraca tremer.
É hora de mostrar que estamos acima do bem e do mal.
A MAIOR TORCIDA DO MUNDO FAZ A DIFERENÇA.
E aí, já formou??
CCM
DCF
ATRN


Blogs participantes:




Blog da FlamengoNet - http://flamengonet.blogspot.com

Aqui é Flamengo, moleque: http://aquiehflamengo.blogspot.com




Eu sou Flamengo: http://flamengo.com















Uma vez, sempre Flamengo - http://umavezsemprefla.blogspot.com/


E se der certo?


A responsabilidade de dirigir o Flamengão será do Rogério Lourenço. Depois da cagada da diretoria do Flamengo de mandar um técnico embora na véspera do confronto mais importante do ano, eis que a solução vem de casa. 

Rogério sonha com futuro no profissional


Biografia
Rogério começou nas categorias de base do Flamengo, aos 13 anos de idade, sendo que, três anos mais tarde, em virtude do desmanche da zaga campeã de 87, já alcançava à condição de titular na equipe rubro-negra.

Em 1989, ainda como júnior, disputou o Mundial Sub-20, juntamente com Leonardo, Carlos Germano e Roger. Fez parte ainda da geração rubro-negra, campeã da Copa São Paulo de Juniores, em 1990, que contava com Júnior Baiano, Piá, Paulo Nunes e Djalminha.

Divulgação/Divulgação

Como profissional, defendeu o Flamengo, entre 1988 e 1994, tendo participado, ativamente, das conquistas da Copa do Brasil de 1990 e do Campeonato Brasileiro de 1992.
Rogério vestiu a camisa rubro-negra em 282 oportunidades, tendo marcado 27 gols, o que credencia-o como um dos maiores zagueiros-artilheiro da história do clube.
Depois que deixou o Flamengo, jogou pelo Cruzeiro, aonde foi campeão da Taça Libertadores da América, Guarani e Paraná. Em 1999, disputou a Terceira Divisão do Campeonato Brasileiro, vestindo a camisa do Fluminense.

Já em final de carreira, entre 2000 e 2001, Rogério teve uma segunda passagem pelo Flamengo, sem muito sucesso. Encerrou a carreira, em 2003, jogando pelo Vila Nova, de Goiás.

Pós-Carreira

Em 2007, Rogério passou a trabalhar como técnico das divisões de base do Flamengo. Em 2009, assume a Seleção Brasileira Sub-20[1] aonde é campeão do Campeonato Sul-Americano da categoria.

Ou seja, é funcionário do Flamengo. Como deveria ser todo técnico.  Avante Rogério!

Qual a diferença?

Patrícia chegou ao Flamengo dizendo que a gestão seria profissional.

Agora me diga: Qual é diferença entre a Patricia Amorim e todo o seu profissionalismo para o Marcio Braga e todo o seu amadorismo?

A semelhança eu sei: Expôr, sempre, a instituição Flamengo ao ridículo!

A falta de ética do Flamengo


E a decisão que sairia de manhã parece que sairá a tarde. Ao deixar a nação em compasso de espera, Joel é o protagonista de mais um exemplo de como os dirigentes de esporte são anti éticos.

Ao demitir o Andrade, técnico do time, em uma semana que tem decisões pela frente, a diretoria foi atrás de um técnico que tem emprego. Como se não bastasse ele ter emprego, iniciou um leilão para ver se fica com o técnico.

Será que o Muricy, ao dizer que não negocia com time que tem técnico, está errado? 

Ou a minha percepção está muito errada das coisas ou 2012 está chegando mesmo. E não me venham com a desculpa da multa do contrato do Joel. Afinal de contas, independente de multa, tem um contrato em vigor. 

Ou você gostaria que o seu vizinho(a) ficasse paquerando tua mulher (teu marido)? 

Exclusivo! Nova direção da equipe do Flamengo




HAHAHAAAHAHAHAH Via @RaqueCRF81

Não entendeu? Leia aqui


23 de abril de 2010

Livre pra voar



Embora o time do Flamengo não tenha tido um desempenho adequado nesse período inicial do ano, e que o Andrade tenha responsabilidade nisso, não queria que o Andrade fosse demitido não.

Queria que ele trabalhasse sem pressão de quem escalar ou não. Só isso. Não vou ficar fazendo apologia a isso ou aquilo porque o que a gente que está de fora do Flamengo sabe é pouco se comparado com o que acontece. 

Pelo semblante do Andrade nos últimos jogos, percebia que ele não estava mais feliz a frente do Flamengo. Até imagino porque mas se é para não ter um ÍDOLO por completo, motivado e feliz, que ele seja substituído.

Só não me venha xingá-lo se ele for ser técnico do Vasco. Foi o Flamengo que o mandou embora. E não ele que pediu para ser mandado embora do Flamengo. 

No mais, obrigada Andrade. Principalmente por ensinar que futebol pode se ganhar sem grito e com liberdade. Esta lição nenhum rubro negro bom da cabeça pode reclamar de não ter recebido.

"A história é feita de fatos. Os fatos, de heróis."


É meu maior prazer, vê-lo brilhar


Bom dia pra você também.

22 de abril de 2010

Obrigada!



Mais uma vez, os resultados nos ajudaram. 

E São Judas Tadeu, resolveu dar um presente para o Corinthians, homenageando o dia do Jorge, amanhã. 

Segura que eu quero ver.

Obrigado São Judas Tadeu!

E só pra não perder o costume, #ForaMarcoBraz

Precisava fazer isso?

Agência O Globo / AGÊNCIA O GLOBO

É um goleiro sensacional, não resta dúvida. Mas ganhou o que fazendo isso com a torcida?

Penso assim

Adeus Copa do Mundo


Depois da atuação de ontem, em que aos 5 minutoos do segundo tempo já estava morto de cansado, arrisco a dizer que, embora o Dunga seja teimoso e sem noção, dificlmente o Adriano vai pra Copa.

Se há alguns meses atrás o Dunga já tinha dado o ultimato para ele melhorar sua conduta e sua forma física, agora com ao Adriano baleiando em campo, ele não deve estar gostando nada disso. 

O Adriano se transformou no Ronaldo de 2006. E é sabido e notório que o Ronaldo de 2006 não teria espaço no grupo. 

Enquanto isso, o Neymar...

+++

O  Kleberson também dificilmente vai para a Copa. Não está jogando no time titular e não vinha jogando bem. Mas, para mim, o caso dele é melhor que o do Adriano. Ele tem mais chances.

Enquanto isso, o Ganso...

A barca dos esquisitos

Em Maio/Junho, haverá o fim do contrato de muitos jogadores que estão no Flamengo. Pelo que eu sei são Adriano, Love, Ramon, Alvaro, Ramon, Michael, Denis Marques, Gil, Maldonado e David. 

Deve ter mais mas por esses aí. Não estou me recordando. 

Desses jogadores por mim, fica a Love, o Maldonado, Michael e o David.  De resto, pode se mandar.   Adriano, muito obrigada pelos seus préstimos. Mas o tipo de jogador que você se transformou não merece o MEU Flamengo. Simples assim. Não basta ser Imperador para ser ídolo da nação. Tem que estar Imperador. Sempre. 

O Denis Marques foi uma aberração, assim como foi o Dimba. Assim como foi o Negreiros. O Gil está em final de carreira, assim como o Alvaro. Esse, aliás, foi um dos maiores enganadores que passou pelo Flamengo ultimamente. Eu não me lembro de um zagueiro que tenha tido a cara de pau que ele teve ao falhar, não reconhecer e colocar a culpa nos atacantes que não marcam. Falhar é humano. Colocar a culpa de falha sua em outros é mau caratismo. 

O Maldonado é um jogador de linha. Dentro e fora de campo. Jogador que o Flamengo não pode abrir mão. O Michael passa por uma fase boa e é voluntarioso. E ser voluntarioso é ter um ponto a favor. E o David é uma grata surpresa que só entra em decisão e não decepciona. E o Love, ah o Love.... Jogador que queimou minha lingua, que mesmo não jogando bem se doa pro time, corre, dar carrinho e honra o manto. 

Agora pense nos jogadores que saem na barca. Povo esquisito né?

Qual a diferença?


Pense em uma empresa de vendas.

O que adianta trocar o gerente de uma empresa se o diretor é a laranja podre?? Do que adianta trocar o gerente, se o diretor protege vendedores que fazem corpo mole? Do que adianta trocar o gerente se o diretor invade o espaço do gerente e passa a responsabilidade pra ele? 

Qual é a diferença, em um ambiente podre, muito por culpa da língua grande do diretor e sua vontade de aparecer, ter um gerente novo se os vendedores não honrarem a camisa que vestem?

Lá vem mais multa pela saida de treinador, lá vem mais adaptação, lá vem mais injustiça. 

E no fundo, no fundo, trocar seis por meia dúzia não adiantará muita coisa. Infelizmente!

Atitudes e atitudes


Fui dormir as 4 horas da manhã, pensando no jogo. Duro é a vida de torcedor rubro negro viu. Duro é quem foi ao Maracanã ontem incentivar um time perdido. Para quem tinha dúvida que o Flamengo está perdido mesmo, a atitude que o capitão tem ao sair de campo expressa toda a perdição. A atitude, vinda de um jogador comum já é desprezivel. Vindo do capitão do time é desprezivel e desesperadora. 

Na contra mão do Bruno, uma Atitude ao 10, 12 minutos do segundo tempo, quando o Flamengo precisava fazer mais um gol mostra que nem tudo está perdido. O pequenino Juan, depois de uma bola em que ninguém marcou pela esquerda grita com o companheiros "Vamo porra, vamo caralho" e cerra os punhos, bate no peito. Pode não estar jogando nada, mas é o tipo de Atitude que o Flamengo tinha que ter. 

Ainda mais em um jogo como o de ontem.

Acorda Patrícia



Vai esperar o rebaixamento pra segundona???

21 de abril de 2010

Ô MB, vai se fuder. O MEU FLAMENGO não precisa de você



MB2, PEDE PRA SAIR.

Vamos pra cima deles, Mengo!!!

Falta menos de uma hora meia pro jogo que pode ser o do ano pro Flamengo. Digo que pode ser do ano porque a desclassificação da Libertadores (toc, toc, toc) pode fazer um desmanche no time atual, inclusive com o técnico fora.

Já imaginou o Adriano não jogar mais para mostrar serviço pra Copa e o Neymar arrebentar nessas semaninhas antes da convocação? Ê beleza!

Não gosto de fazer previsões. Quando eu achava que o Flamengo arrebentaria, ele decepcionou. 

Mas ainda sim, não deixarei de torcer. Torcer para que tudo dê certo, para que os jogadores tenham mais vontade e que papai do céu faça uma bola na trave entrar e não sair.  Não ganhar com diferença de dois gols, de um time da Venezuela, quando de precisa de um resultado, é vergonhoso.

Então #vamopracimaldelesmengooooo. E que toda a arco iris se foda! Sou mais a Nação!

20 de abril de 2010

Benção Divina



Zico apareceu no treinamento hoje a tarde do Flamengo. E com certeza para dar apoio ao amigo Andrade. Mas ao falar, expressou com toda razão uma verdade que embora muitos não queiram enxergar: Esquecem rápido demais o que foi feito. 

E Zico está certo. O Flamengo é cobrança o tempo todo e quando o resultado não vem, é uma avalanche. E vira o circulo vicioso.  

Que a visita do eterno Galo traga bons fluidos. E que essa energia ruim circule por outros ambientes, que não seja o Flamengo.

Fugir da responsabilidade é muito feio.


Li no Globo.com que a diretoria espera que o Andrade afaste o Pet.  O Andrade deve afastar o Pet, deixá-lo de escanteio até o contrato acabar e assim não haverá renovação. Fazendo isso, esfriando o Pet, ele fica mais fritado do que já está. Assim seria o modo certo, mas a diretoria quer que o Andrade afaste o Pet. E quem tem que tomar essa decisão é o Andrade. 

Eu até entendo que o cargo de Presidenta é um cargo político. Mas e o de diretor de futebol? É político também?? Na hora de falar merda e dizer que o Adriano tem privilégio e arrebentar com a imagem do treinador, o diretor aparece.  Mas quando ele tem que agir, se entende que há deve haver um afastamento de um jogador, não age? E joga a responsabilidade para o técnico, que é o cara que ganha para armar o time. 

Quero ver se o técnico resolver afastar quem ele acha que está com desempenho ruim se o mesmo diretor de futebol vai ficar calado. 

Queria ver o Marco Braz aparecendo na imprensa agora dizendo que ninguém pode criticar o Adriano porque ele tem privilégios.  

Irresponsável falastrão.

19 de abril de 2010

A tática perfeita do time do Flamengo


Sou uma mulher que entende de futebol. Sempre entendi. E joguei muita bola com os meninos do condomínio. Sim sim, sou uma menina que joga futebol. Com a perna canhota. Gosto de jogo de futebol, independente se é o Flamengo que está em campo ou não. Além disso, sou professora de educação física. Pós graduada em treinamento desportivo. Que já trabalhou não só com voleibol, mas com futebol feminino também. Futsal pra ser mais exata. 
Então o que eu vou escrever, não é, só, opinião de torcedora. 

O time do Flamengão tem jogadores em todas as posições que são de excelente nível. Quem falar que o elenco do Flamengo é ruim, não entende de futebol e de jogador bom. Observe que jogador bom não é jogador craque. É simplesmente jogador bom, que exerce funções dentro de campo. Além temos jogadores bons, temos jogadores inteligentes que é muito importante em um jogo de futebol. Vários jogadores ali podem, fácil, virar capitão do time. 

Com o elenco que o Flamengão tem hoje, o esquema de jogo tem que ser o 4-4-2. 

O Gol: 
O goleiro, embora esteja dando um mole desgraçado, é o Bruno. O Marcelo Lomba deve ser preparado para a saída do Bruno. E vou te falar que nem ficaria muito triste se isso acontecesse. O pessoal que trabalha no Flamengo diz que o Lomba tem memso um nível excelente. Então, é igual quando o Júlio Cesar era uma reserva do Clemer. É uma questão de tempo.

A zaga:
Atualmente, os dois zagueiros titulares do Flamengão são o David e o Fabricio. Não há o que questionar. Embora o Angelim tenha melhorado e muito desde o ínicio do ano, o Fabricio, quando não inventa de achar que é o Baresi ou o Aldair, dá conta do recado direitinho. 
O David, depois da atuação de ontem, não preciso nem explicar porque ele merece a vaga da charanga do Alvaro né?

Os laterais:
O Léo Moura continua voando. Embora ontem ele não tenha feito uma boa partida, a vontade e a seriedade que ele joga é realmente de se elogiar. Jogando bem ou mal, ele está sempre sério, sempre compenetrado. Devia servir de exemplo. Daria fácil a braçadeira de capitão pra ele.
O Juan não tem mais o ímpeto de outros anos. E está jogando sobre carregado coma falta de proteção do principal defeito do nosso time, que é a proteção a zaga, o meio de campo. Se acreditar mais no seu futebol e parar de ser marrento, pode dar muita alegria ao torcedor. É inteligente e sério.  Daria fácil a braçadeira de capitão pra ele.

O meio de campo:
Nesse setor, o Flamengão deveria jogar no esquema 1-2-1.  O primeiro 1 deste "esquema" deveria ser um cabeça de área nato, com alto poder de marcação, que é o Maldonado. O outro cabeça de área com essas caracteristicas seria o Romulo, que obviamente não toma o lugar do Maldonado. Passar do meio de campo, na entrada da zaga nem pensar. O 2 nesse "esquema" seriam dois joagsdores, um pela direita para ajudar o Léo Moura pela direita e o outro pela esquerda para auxiliar o Juan tanto na defesa quanto no ataque.  Os meus dois jogadores seriam pela direita o Fierro e na esquerda seria o Willians. Quando o meio de campo da direita passasse do meio de campo, o da esquerda resgardaria a defesa e vice versa. 
O último 1 desse meio de campo seria um jogador leve, de criação. Ele receberia as bolas a seria o "resposnavel" pela criação. Queria muito ter o Pet em boa forma para fazer essa função. Como não tenho, o Vinicius Pacheco exerce essa função. 

O Ataque:
Embora o Adriano esteja uma charanga em campo, eu não colocaria ele no banco de reservas não. O ataque é com ele e o Love, o grande destaque rubro negro. 

O time então fica: Bruno, Léo Moura, David, Fabricio e Juan; Maldonado, Willians, Fierro e Vinicus Pacheco; Adriano e Love;

Não é muuuuuuito diferente do que é o time do Flamengo hoje. Mas os jogadores tem que obedecer determinação tática de treinador. E eu duvido que o Andrade não dê determinações táticas aos jogadores. Resta saber se eles cumprem ou acham que são autodidatas. 

Mas está óbvio que na base do Vamo lá Porra não tem dado certo. 

Concorda comigo? Discorda??? Deixe o seu comentário!!!

18 de abril de 2010

Ta na sua conta Adriano


E não há pra onde fugir. 

Se é pra deixar o Pet de fora porque ele tem relacionamento dificil com todo mundo, pra que deixar o Adriano, que jogou a metade dos jogos e quano joga sem ele o Flamengo joga melhor?

Apenas 2 coisas


Hoje quero apenas ela queimada. E que quem queime faça por merecer a convocação para o time da CBF. 

E quero que o Flamengo jogue como Flamengo. Se perder que seja jogando como Flamengo, mesmo sabendo que 2012 se aproxima. 

Mas se quiser continuar jogando mal, pelo menos que ganhe.


16 de abril de 2010

Duvido que você largue

"Hoje é um dia de ressaca. Saca aquela coisa de você não querer ver ninguém porque seu humor além de estar péssimo, as pessoas viram pra você e falam: "O que aconteceu ontem?" Igualzinho quando você paga um vexame porque bebeu demais. Aí acaba com a maldita ressaca.

Mas a minha ressaca não é da bebiba que eu não bebi. Mas a vergonha… Ah, a vergonha…

De repente, falta vergonha na cara para vir aqui e falar mal do time do Flamengo, que ontem me fez passar um vexame. Vexame daqueles imperdoáveis.

Queria muito, mas muito mesmo falar de como o Alvaro se posiciona mal, de como o Toró se tornou uma peça nula no esquema do Flamengo, do Andrade que está mais Joel Santana que nunca, do Bruno que anda falhando muito, do Juan que anda burocrático demais, do Willians que eestá achando que é Sócrates, do Adriano com sua dor interminável de corno.

Mas eu pararei por aqui. Aprendi na vida que as coisas tem o valor que a gente dá. É assim com uma oportunidade perdida, com o namorado traidor, com o jogo não vencido e que precisava se vencer. Quanto mais a gente fala, mas ele têm importância. Toda essa tristeza pelo vexame vai passar. Com o Flamengo, fuderosão, sempre passa.

Então hoje, pelo menos até domingo, levarei pra minha vida aquelas palavras que eu canto no Maracanã olhando pro céu e com os braços estendidos: "Eu, sempre te amarei, onde estiver estarei".

Você já viu alguém que largou a "cachaça" depois da dor de cabeça do dia seguinte?"

Esse texto foi publicado originalmente no blog do "Eu sou Flamengo".

14 de abril de 2010

Acorda Andrade


Toró sofre fratura e desfalcará o Flamengo

Ta de sacanagem o Toró continuar no time né Andrade?? Quer perder o emprego?

Acorda Dunga


Que mané Adriano Dunga.


Leva o Neymar!

Parabens SPFC


Divulgação/Divulgação

Parabens SPFC por ser o detentor oficial (by Urubuzada) da ex Taça de Bolinhas, atual Taça de Boiolinhas!

Minha seleção veste vermelho e preto



A única camisa hexacampeã do futebol masculino do Brasil.

#chupabrasil #chupacbf #chupabambizada




Não peguem no pé do Andrade


Começou por parte da torcida do Flamengo toda a sua impaciência com o técnico Andrade. Embora ele tenha demorado para tirar o Kleberson, jogador que disputa vaga para ir a uma Copa do Mundo, não sei se não foi a atitude correta. O Kleberson, jogando bem, tem vaga nesse time do Flamengo. Fácil. Até porque é um cara que tem visão de jogo.  

Uma outra questão que envolve o Andrade é o caso do Pet. Muitos dizem que o fato do Pet nãoo ser titular influi na forma dele. Afinal de contas, como um jogador entrará em forma se não joga? Tem que colocar o Pet pra jogar né? Não. Não tem que colocar o Pet pra jogar. No ano passado, o Pet iniciou no Flamengo assim. Ele era reserva, entrava no meio do jogo e passou a ser titular. Com certeza absoluta, ele demonstrava muito mais fora de campo do que naqueles minutos que ele entrava que estava ali pra ser titular.  Será que hoje ele mostra? Será que ele está "fechado" mesmo com o técnico e com o time?   Não me venham com delongas de que a implicância do dirigente fez o Pet bla bla bla... Ano passado também tinha implicância de dirigente e ele calou a boca de todo mundo. O que acontece com o Pet hoje é que ele voltou atrasado das férias quando todo mundo ja estava trabalhando, demorou demais para voltar a forma, brigou porque foi substituido ( quando o Juan fez isso, logo logo pediu desculpas porque sabia a pressão que ia enfrentar e não é bobo) e continua mal. E pelo visto, nos treinamentos e no dia a dia também, porque não se vê nenhum colega de elenco falar dele. 

E a última questão que envolve o Andrade é que ele anda escalando mal o Flamengo. Jogar com 3 volantes vai fazer o Flamengo se ferrar. Porque não fomos campeões brasileiro com 3 volantes. Se tínhamos os três em campo, eles não jogavam como tal. E nisso ele peca. E muito. E está na hora de dar sangue novo a zaga.

No mais, o Flamengão tem apenas 2 derrotas no ano. Vamos deixar de reclamar tanto e focar em vitórias. Porque são elas que importam!! Ou vocês querem perder com 2 volantes em campo?

Deixem o Andrade trabalhar!

Não concorda? Então comenta!!!!!!!

12 de abril de 2010

Abre o olho Adriano!


Rodrigo Benchimol/GLOBOESPORTE.COM

E na quarta feira, em mais um jogo decisivo não teremos o principal nome do Flamengo em campo. Devido a lombalgia que persiste, Adriano não joga pela Libertadores. É claro que como rubro negra eu torço para o Adriano ir a Copa, com todo o seu talento e força. 

Mas se mantendo fora de forma, sem jogar jogos continuamente e com o crescimento do lobby pelo Neymar do Santos, não ficaria surpresa que ele perdesse a vaga na Copa. 

Ô Imperador, liga o alerta!!!

Kleber Leite perdeu


Carolina Elustondo/GLOBOESPORTE.COM Ele ganhou

Fábio Koff, ex-presidente do Grêmio, foi reeleito, no início da tarde desta segunda-feira, presidente do Clube dos 13 para o próximo triênio. Com 12 votos a 8, ele bateu flamenguista Kléber Leite, em eleição realizada em São Paulo. Será o sexto mandato de Koff, que está no comando da entidade desde 1996. 

Muito rubro negro comemorou a derrota do Kleber, ainda mais porque o voto do Flamengo foi no Fábio. Mulher de fibra essa Presidenta hein. 

Kleber Leite contava com o apoio do Vascú, explicando assim, óbvio, porque não ganhou e foi vice. 

Tenho que admitir. Foi penâlti indiscutível


PorraVascú!!! SÓ LOVE, SÓ LOVE. SÓ LOVE!!!

============

Concentração total agora na Libertadores. Muito descanso e garra nesse momento. Mais que guerreiros ( e não gayrreiros, HAHAHAHAHAHAHA), vocês tem que heróis. 

10 de abril de 2010

Terceira camisa do Flamengo


Divulgação /Divulgação

Vazou na internet o novo terceiro uniforme do Flamengo. O amarelo e o azul foram as primeiras cores usadas pelo remo do clube. Os tons chegaram a ornamentar uma camisa lançada em 1995, ano do centenário rubro-negro. Na ocasião, no entanto, o modelo não foi aprovado pelo Conselho Deliberativo rubro-negro. Desta forma, a camisa não foi utilizada em partidas oficiais. O novo terceiro uniforme foi aprovado em dezembro do ano passado

Se a intenção é fazer o rubro negro gastar uma grana, conseguiu. Se eu não ganhar, comprarei. Se eu ganhar, farei muita propaganda. HAHAHA

6 de abril de 2010

Ela dá show, sempre!




Muitos podem não concordar com o que eu escreverei, mas é, como todo o blog salvo os posts do Ronaldo, a minha visão de torcedora apaixonada.
Conheci o Flamengo grande. Quando eu tinha 6,7 anos e "debutei" no Maracanã, ia pra ver o Zico jogando. E ele era o cara que quando brincava do Futebol, falava: "Gooooooooooooool do Ziiiiiiiiiiiiiico". Quando o Zico largou os gramados, fiquei carente de ídolo. Tive uma puta decepção com o Bebeto, depois com o Renato Gaúcho. O Junior preencheu esse vazio que logo ficou vazio de novo. E durante muito tempo, eu fiquei sem identificação com o Flamengo. Até que me apaixonei pela torcida. O estar lá fez parte da minha vida durante anos. Amigas ligavam no domingo a tarde e falavam: "Tá no Maracanã né?". Sim. E assim eu estava. O Maracanã passou a ser o cinema com namorado. E durante anos, não vi o Fantastico, salvo raras exceções. 
Há uns 8 anos atrás, passei novamente por uma crise se identificação, principalmente por causa dos dirigentes. Cansei de ser sacaneada que meu time era falido, que não tinha estádio e isso me chateava mesmo. E criei uma baixa estima em relação ao Flamengo que durou algum tempo. O ápice dessa baixa estima foi nesse jogo abaixo, que me marcou porque eu estava de mudança de consultório e enquanto arrumava as coisas, a TV ficou ligada.



Na segunda feira, o que eu escutava era: "Que vergonha hein". E esse era o meu sentimento, de vergonha mesmo.  Esse jogo foi logo depois da perda do título para o Santo André no Maracanã, um jogo que eu fiquei horas na fila para ter ingresso e não consegui comprá-los.
E como a campanha de 2004 do Flamengo foi horrorosa no campeonato brasileiro, eu mal comemorava. Eu não tenho camisa do Flamengo no ano de 2004 e nem de 2005. Isso por si só já expressa todo o meu sentimento que descrédito na instituição Flamengo.
E quis o destino que o mesmo time que me afastou do Flamengo de certa forma, fizesse que eu me apaixonasse pelo Flamengo novamente. Foi em um Flamengo e Atlético Mineiro, em um quinta a noite, senão me engano, em um jogo que eu fui por acaso, graças a insistência de um amigo, que eu me lembro hoje pensando "como eu pude ficar sem essa torcida, sem essas músicas, sem essa vibração". 




Me apaixonei não só pela torcida, mas pela instituição Flamengo novamente. É aquela paixão que não compra produto pirata porque está prejudicando, que não fala mal porque está se integrando a arco iris e que leva sempre o nome do Flamengo aonde quer que vá.




O título do Flamengo na Copa do Brasil de 2006 me fez ter a certeza de que o Flamengo é único. Simplesmente único. E devo isso ao Juan, Léo Moura, Ney Franco, ao Obina e é por isso que não falo mal deles, mesmo quando estão em fase ruim. Eu não posso, eu não devo. 

Nunca deixei de ser Flamengo. Nunca deixarei de ser Flamengo. E se vier outra crise existencial rubro negra, mesmo que o time sufoque como foi em 2004, lembrarei dela que é o MAIOR e MELHOR patrimônio que temos.





E é óbvio que o destaque da semana vai pra torcida do Flamengo que me resgatou e ainda me dá o prazer, a honra e a satisfação de ser uma integrante dela.

Palmas a vocês.

5 de abril de 2010

Dvd do Hexa



O Flamengo lançou na manhã desta segunda-feira o DVD especial do Hexa, mostrando a saga do time no ano passado para conquistar o título que não vinha desde 1992. Jogadores do time estiveram presentes: Maldonado, que volta aos poucos de contusão, e Ronaldo Angelim, que fez o gol do título, posaram para fotos com as capas em mãos. Também estiveram presentes ex-jogadores, como Junior e Julio Cesar Urigueler.

Para o chileno Maldonado, o jogo-chave foi no segundo turno, contra o Atlético-MG, no Mineirão. "A campanha foi mais difícil porque o time e estava desacreditado, e precisou dar a volta por cima. Minha chegada e do Álvaro ajudaram a equipe. Os adversários foram deixando de ganhar pontos enquanto crescíamos e ganhávamos fora de casa. Soubemos administrar essa situação, somando pontos, até chegar ao título. Se eu pudesse escolher um jogo marcante, seria contra o Atlético, pois os dois brigavam pelo G4. Depois disso nós nos motivamos muito", afirmou o meia.
Na ocasião, o Flamengo venceu o Galo por 3 a 1. Maldonado fez um belo gol, driblando um marcador e batendo no canto do goleiro. Petkovic também brilhou no dia, ao marcar um golaço olímpico.
Já o zagueiro Ronaldo Angelim declarou que nunca esperou entrar para a história do Flamengo da forma como entrou. "Estou muito feliz por contribuir com o hexa. Tenho que agradecer a todos pelo carinho. Foi um momento único na minha vida. Nunca esperava entrar dessa maneira na história do Flamengo".

Postado por Dani Souto. Contato: danisouto@gmail.com

4 de abril de 2010

Café com leite

O jogo de hoje foi como todo mundo esperava. Café com leite. Se perdessemos, não era o time titular que estava em campo. Se ganhássemos, mostraria a força do plantel rubro negro.



Ganhamos de 3x0. Veja os gols aqui.

Menos mal. Mas esse jogo serviu para deixar certas verdades bem claras para qualquer torcedor rubro negro. A primeira delas, impiedosa, é como o Dênis Marques perdura em uma fase que já não é mais mã há algum tempo. Se for má fase o que ele faz com a bola, é uma puta injustiça com jogadores que não apanham da bola como ele apanha e que passam por uma fase ruim.  Nem discuto o quanto ele ganha, o desperdício que é. Isso é desmerecer uma pessoa profissionalmente e não gosto disso. Se ele recebe, tem quem pague. Se ele ganha um salário que muitos dizem que ele não merece, alguém do Flamengo acertou isso com ele. Caça a bruxas mesmo de quem acertou com ele. 

A segunda verdade que esse jogo revelou é que o tal do Michael joga bola. Bem mais que o Ramon, que é outro que está no mesmo caminho do Denis Marques. Quem tem que ser a primeira opção de reserva é ele. Só o chapéu que ele deu no inicio do segundo tempo, valeu o jogo. 

A terceira verdade é que o receio que tínhamos no gol quando o Bruno se machucava, pode ficar bem pra escanteiro. O reserva Marcelo Lomba é bom, rápido, tem ótima colocação e ainda tem sorte. 

No mais, sabado (ou domingo) tem semi final da Taça Rio contra o Vascú, o mais freguês de todos. Senão entrarmos na onda que será fácil, porque não o será, rumamos para a final da Taça Rio.

Na quarta feira tem Libertadores. Espero que a molezinha de hoje tenha servido para os titulares relaxarem e darem tudo de si em um jogo que é importantíssimo para a classificação para as oitavas da Libertadores.

Postado por Dani Souto. Contato: danisouto@gmail.com

Copyright @ 2013 Primeiro Penta é o Flamengo!.