Sete erros do Jorginho no comando do Flamengo





Não estou nem um pouco satisfeita com o desempenho do Flamengo. Perder para Resende, empatar com Duque de Caxias, Audax, ganhar do Bangu nos últimos momentos definitivamente não me satisfaz. Embora eu saiba que é ínicio de trabalho, que a paciència em que imperar e que vem coisa boa por aí, não dá para deixar passar algumas coisas que vem me incomodando bastante no trabalho do novo técnico. 

Portanto, enumerei sete erros que o Little Jorge teve no pouco tempo de trabalho mas que são gritantes! 

Quais deles você concorda?







Se contar o tempo que Alex Silva esteve no Flamengo, qual foi o técnico que o manteve como titular como Jorginho? Mesmo depois de ter sido emprestado e devolvido pelo Cruzeiro, afastado pelo Dorival Júnior, Jorginho o efetivou como titular de uma zaga que não vinha bem. Como se não bastasse isso, era nítido, já no primeiro jogo o quunto Alex Silva não mantém o padrão de jogo de outrora. É lento, não pula em bolas dentro da área deo Flamengo, está sempre mal posicionado e acha que pode ser atacante a hora que quiser, ferrando o sistema defensivo e sobrecarregando companheiros. Para que insistir nele?

E isso inclui não manter a zaga que deu uma certa tranquilidade ao Flamengo no final do Campeonato Brasileiro do ano passado. Se o Wallace não for do tipo de jogador que joga muito em treinamento, não é pelas atuações em jogos que ele é escalado no time titular. Para escalar o Wallace, coloca o Frauches. Pelo menos, tem história com o Manto.




O trabalho do Dorival não era de se jogar fora, tanto que ele não foi mandado embora por desempenho e sim, por grana. A campanha que o Flamengo fez no primeiro turno também não foi ruim. Tínhamos ali um esboço de time, com alguns posicionamentos e direcionamentos que o Jorginho simplesmente ignorou. Começou tudo do zero e os testes que vem fazendo são os mais inacreditáveis possíveis.




Tenho para mim que enquanto os técnicos do Flamengo continuarem insistindo em velhos medalhões, não saíremos dessa draga. Pode ocorrer a melhora, vai dar a impressão que o time só anda com Renato Abreu, Ibson, Léo Moura ou Cleber Santana, mas a verdade é que a melhora que há nunca será no nível que o Flamengo merece e nem dará o "up" que o Flamengo precisa.




Essa eu aprendi no banco da faculdade de Educação Física: time em formação, mexe-se o mínimo possível. E hoje, o Flamengo é um time em formação. Não dá para colocar um jogador que é titular, regular, que dá equilibrio no meio de campo, na lateral direita. Obviamente, perde-se desempenho na lateral direito e deixa de ganhar no meio de campo. Time que está em formação, troca-se seis por meia dúzia, quando é muito necessário. Coloca um júnior na lateral direita mas não coloca meio de campo titular.




Definir jogadores titulares e tentar repeti-los é essencial para o formação e um bom andamento de um time. Se não conseguir repeti-los, troca-se por jogadores com as mesmas características. Parece simples, mas o Jorginho está ansioso demais nesse aspecto. Dorival escolheu um time titular no inicio do trabalho lá no ano passado e assim como escolheu um time titular no inicio desse ano. As coisas desendaram quando ele mudou na estrutura do time. Ou estou errada?




Trocar Nixon por Hernane antes de terminar o primeiro tempo, colocar Ibson no lugar do João Paulo, tirar o Rodolfo de campo quando ele é o melhor em campo são apenas alguns exemplos de como tem sido infeliz o troca-troca do Jorginho nesse time do Flamengo. É como eu ja disse: escolhe um jeito de jogar com os jogadores que tem, insiste num time titular e faz os testes em treinamento. Não adianta fazer substituição no jogo e não treiná-las. Flamengo não é Seleção Brasileira que se reúne uma vez por mês.








Não é Flamengo e nunca será. Pelo menos, não o Flamengo que eu quero e que me acostumei a ter. Flamengo que acostumei a ver ganha dos pequenos com autoridade, leva a sério a obrigação de vencer, vencer e vencer.  Ganhar do Bangu com gol no fim depois de falha do goleiro pode ser tudo, menos SER FLAMENGO! Essa mentalidade tacanha não deveria nem passar perto de um Flamengo que está sendo construído fora de campo.



Esses erros ainda não são pecados, porque a situação não está definida. Para não ser transformados em pecados, eles podem (e devem) ser corrigidos para que não evolua para uma stuação irreversível.

Acredito na boa intenção do Jorginho como técnico e não vou deixar de apoiar porque é o Flamengo em campo. E quando o Flamengo entra em campo, eu tenho mesmo que fazer o meu papel: apoiar e torcer!




Comente:



Nenhum comentário

Comente, sempre, com educação. Se você é do Twitter, do Facebook ou de outra rede social, deixe o seu contato para que eu possa agradecer.
Ah, não esqueça nunca: UMA VEZ FLAMENGO, SEMPRE FLAMENGO!

Tecnologia do Blogger.