Carta aberta a todos os flamenguistas: "Não somos parceiros do Flamengo... somos muito mais que isso!"

Carta aberta a todos os flamenguistas: "Não somos parceiros do Flamengo... somos muito mais que isso!"


Por Tullio Formicola Filho*

Me lembro como se fosse hoje quando entrei na sala do Ricardo Hinrichsen, então vice-presidente de marketing do Flamengo, para um encontro na Gávea. Não nos conhecíamos e consegui agendar a reunião. Ele me perguntou, curto e grosso: "Em que posso ajudar?", com a formalidade subindo pelas paredes.

"Eu vim aqui porque quero patrocinar o Flamengo com a marca Olympikus", respondi na lata. O Ricardo quase caiu da cadeira de tanto rir. "Mas hoje temos a Nike, a maior empresa de material esportivo do mundo...", argumentou o executivo. Rebati: "Tudo bem que você tem a Nike, mas precisa analisar a nossa proposta..."

Ricardo concordou em conhecer o projeto da Vulcabras|azaleia.

Um ano e meio depois dessa nossa conversa inicial, assumimos o Flamengo, com Olympikus, em 2009. Naquele mesmo ano ganhamos o Brasileirão, garantindo o Hexa. Passamos por várias gestões políticas, com pelo menos três presidentes, vários diretores, executivos, conselheiros e funcionários.

Fornecer material esportivo para uma instituição do tamanho do Flamengo foi um dos maiores desafios da minha vida. Tudo na Gávea é gigante, da logística para a fabricação e distribuição de camisas, até as ações de marketing. E quando aparecem problemas, eles também são na mesma proporção de grandeza.

Aliás, não poupamos esforços para estar sempre ao lado dessa torcida maravilhosa, tanto nos momentos ruins quanto nos bons. Participamos da criação do Maior Mosaico do Mundo, no Maracanã; ajudamos a construir o Museu Flamengo, fizemos vários lançamentos de dezenas de produtos oficiais da marca Olympikus, demos uma força para a contratação de jogadores e ainda criamos várias campanhas, entre elas a retransmissão original do jogo do Mundial pela Rádio Globo. Que flamenguista não se lembra daquela ação, criada para a Olympikus pela agência DM9Sul?

E a Arca do Tempo, no lançamento da pedra fundamental do Museu Flamengo, com a participação de torcedores ilustres, jornalistas, blogueiros... Ainda tem o livro Sempre Flamengo, uma homenagem aos jogadores que passaram pelo Fla e também a todos os colaboradores do clube, que tinham o nome eternizado nessa obra. Além de impresso, o livro também teve a versão para iPad na Apple Store.

O que não faltou foi energia para criar, organizar, patrocinar ou simplesmente apoiar várias ações que poderiam encher a torcida de mais orgulho pelo Flamengo. Mas tudo só foi possível graças à uma equipe fantástica, extremamente competente, motivada e comprometida. Cito aqui alguns nomes de profissionais que também fizeram parte dessa história: Fernando Costa, Fabiano Vieira, Alexandre Capatto, Fabrício Umbelino, Marcus Souto, Gabriel Skinner, Robinho, Lula (não o ex-presidente), Edu Pesce e ao grande e genial Pedro Morgado (in memorian). Sempre tive o apoio de Pedro Grendene, presidente do conselho da Vulcabras|azaleia, para grandes realizações no Flamengo.

Também tive o privilégio de trabalhar com uma equipe fantástica de comunicação e PR, que é a Vipcomm Assessoria de Imprensa. O trabalho da agência, comandada pelo Ricardo Ribeiro e Cláudia David, permitiu colocar a marca Flamengo/Olympikus nos principais veículos de mídia do país diariamente.

Hoje não trabalho mais na Olympikus. Depois de 14 anos na Vulcabras, a dona da marca, assumi novos desafios profissionais. Mas faço parte dessa história de sucesso. Conquistei muitos amigos durante os anos que atendi o Flamengo: jogadores, funcionários, diretores, conselheiros, etc. Sem contar a imprensa e os blogueiros. Muitos têm o número do meu celular e me ligam até hoje, seja para bater papo ou simplesmente para perguntar a minha "opinião" sobre assuntos relacionados ao Flamengo... e também falamos até de assuntos mais pessoais, como as zonas de conflitos no Oriente Médio ou mesmo sobre o meu Palmeiras!

Mas como diz o título desse texto, não sou e nem quero ser "parceiro" do Flamengo e dos flamenguistas. A palavra "parceria" é muito pequena pelo tamanho do que isso significa. Qualquer "parceria" começa e acaba, como um patrocínio, mas eu prefiro usar a palavra "relacionamento", que pode durar por uma vida toda.

Digo com orgulho que tive o privilégio de fazer parte de um ciclo muito bonito que se encerra!

Desejo muita sorte ao Flamengo, aos torcedores, ao presidente, diretoria, funcionários, conselheiros, colaboradores e todos aqueles que têm algum envolvimento com o "Maior do Mundo". E também desejo que o novo fornecedor de material esportivo ame o clube como nós também aprendemos a amar. Afinal, o FLAMENGO merece!

Tullio Formicola Filho, 49 anos, é executivo de marketing e foi o responsável por levar a Olympikus para o Flamengo em 2009. Ele também foi responsável pelas ações de marketing junto ao clube e aos torcedores. Atualmente é presidente de uma companhia norte-americana para o Brasil e América Latina.

A diferença entre o Bebeto e o Ronaldo Angelim

A diferença entre o Bebeto e o Ronaldo Angelim
http://farm5.staticflickr.com/4049/4281758078_325762cea4.jpg

Bebeto e Ronaldo Angelim. Os dois fizeram gols de título nacional pro Mengão. Os dois tem o seu lugar na história do Flamengo. Pelos seus feitos com o Manto, merece ser exaltados. Porém, para mim, um é ídolo e outro não.  Sou bipolar? Sou incoerente?  Sou torcedora!

Embora tenha chegado na imprensa a informação que o Angelim colocou o Flamengo na justiça para receber direitos de imagem/arena/seilamaisoque atrasados, não consigo ter raiva dele. Acho que esperou um tempo, não o procuraram para pagamento e ele entrou na justiça. Já já faz um acordo e vida que segue. Culpa dos dirigentes que lá estavam e que não pagaram não só ao Angelim, mas uma penca de gente.

Culpa dos dirigentes é o que alega os defensores do Bebeto para que ele seja isento da confusão que foi a transferência dele para o Vasco quando saiu do Flamengo. Lembro-me bem de todo bafafá. Numa época que não tinha internet, as notícias que eu tinha dessa transferência era indo pro Volei ouvindo a Rádio Globo no carro ou no jornal O Globo, que éramos assinantes.  O Bebeto foi responsável pelas minhas primeiras lágrimas de tristeza em relação ao Flamengo. Chorei feito uma criança que acaba de perder o brinquedo favorito. Fiquei triste. Lamentei. E isso ficou marcado na minha vida. Não comemorei gols do Bebeto em Copa do Mundo, não procuro saber sobre a sua vida e entendo que muitos o tenham como ídolo, mas meu ídolo ele não é. E olha que nem estou citando o filho dele que está de saída do Flamengo. Embora ache que o Flamengo vacilou com o Mattheus (agindo como AMADORES!), dizem que a atuação do Bebeto nesse caso foi igual ao que o José de Moraes teve no caso dele, na transferência para o Vasco. 

Angelim e o Bebeto estão na história do Flamengo. Fizeram por onde, mereceram.  Cada qual com o seu caminho, podem ser reverenciados. Porém, no meu coração e no de muitos, há um hiato enorrrrrrrme entre eles.

Posso até ser incoerente no meu discurso, sei disso. Mas como torcedora, passional e que sofreu com histórias do Flamengo, reservo-me o direito de ter essa incoerência. Ou não!

A saída de Alex Silva e Ibson: folha salarial cada vez enxuta!

A saída de Alex Silva e Ibson: folha salarial cada vez enxuta!
http://oglobo.globo.com/in/7955641-867-37e/FT500A/2013032609074.jpg-GID137FN1.1.jpg

Eis que, finalmente, sai a noticia de quem acomapnha o Flamengo já esperava há algum tempo: Ibson  e Alex Silva, dois medalhões do elenco do Flamengo, não fazem mais parte dos planos para 2013.  E acho que um parágrafo para cada um é o suficiente para explicar o porque não os queria no Flamengo.

Eu entendo que o Ibson é formado em casa, que o processo de fritura poderia ter sido mais brando, que tinha que se ter mais respeito. Mas rubro negro como o Ibson, o Flamengo deve pagar aos montes. E entenda essa última frase como quiser. Mas quantas vezes o Flamengo repatriou "bons filhos que a casa tornam" pelo dobro do preço que foram embora, com salário altissimo e o futebol apresentado não correspondeu. Isso não é uma critica ao Ibson. A crítica (em forma de lamentação) é para quem os contratou por esse valor, usando o Flamengo como "beneficiado".  O Ibson é só o exemplo da vez. E um exemplo que, pelo visto, o Flamengo não quer repetir.E, a julgar pelo que nada sendo especulado como "doutrina", não deve repetir.

O Alex Silva nunca disse a que veio. Contratado como zagueiro de seleção brasileira, com um peso enorme, teve mais destaque com o microfone na boca do que com a bola no pé. E apesar da torcida pegar no pé dele pelo que ele disse no fim de 2011, a sua dispensa tem muito a ver com a licença que ele pediu há pouco tempo para o Jorginho. Acho que a decepção pela postura do Alex Silva foi tanta que o Joginho, que tinha colocado-o de capitão, optou pelo custo beenficio e acabou sendo a favor da dispensa. E, nesse caso, o Alex Silva pode espernear, reclamar, mas vacilou. Imagina aí se você tem um aborrecimento no trabalho e pede dispensa para o seu patrão. O que acontecerá? Se não rolar demissão, seu patrão ficará de olho aberto com você. Ou estou exagerando? pois bem, foi isso que aconteceu com o Alex Silva, além do seu desempenho em campo ser péssimo pelo salário que ele ganha.

É público e notório que o Flamengo quer diminuir os altos salários, vindo das gestões passadas.   Foi assim com o Love, com o Léo Moura e Renato Abreu que aceitaram reduzir vencimentos e com a dispensa de alguns joagdores, como esses citados aí em cima. É uma filosofia e os caras que adminsitram o Flamengo estão cumprido o que querem. Ao invés de salários, muitas vezes, irreais e impagáveis, salários mais enxutos. É o ônus que se paga.

Não sei o valor certo, mas acho que o Flamengo poupará uns R$ 700 mil por mês com a saída dos dois. É oxigênio para novas contratações, contratações essas que estamos precisando para ontem.

Enxugar a folha salarial em cima de jogadores que não rendem o esperado é pré-requisito básico para podermos ter um time competitivo com o jogadores que rendam o esperado com o que o Flamengo pode pagar.

A diretoria do Flamengo está no caminho certo. E eu continuo na torcida para que, dos males, sempre venha o menor!

Pelaipe e Jorginho: a coragem que faltou em outrora.

Pelaipe e Jorginho: a coragem que faltou em outrora.
http://www.lancenet.com.br/brasileirao/Jorginho-Pelaipe-Flamengo-Andre-PortugalLANCEPress_LANIMA20130424_0036_26.jpg

Em um clube como o  Flamengo, que vem de administrações que o combaliu e trouxe uma péssima fama não só ao mercado do mundo de futebol como no mundo em geral, tomar ações firmes é necessário, mesmo que haja uma série de fatores que mostrem que pode ser a decisão errada.

Se eu fosse professora do primário, Pelaipe e Jorginho (e quem sabe até o Wallim) teriam ganhado estrelinha colorida pela dispensa do Alex Silva e Ibson. Simplesmente porque os dois não cabem no Flamengo que está sendo modelado pelos caras que estão lá e que, cá entre nós, estou gostando de ver.

Enquanto dirigentes de outrora camuflavam escolhas, divulgavam video de três meses depois do fato ocrrido para justificar uma decisão e fazer torcida ficar a favor (como foi no caso Ronaldinho) e se ausentavam de decisões que deveriam ser tomadas, parece que no caso do Alex Silva e Ibson, colocaram a cara a tapa.

Estar certos ou errados depende da sua opinião. Acho que eles fizeram o certo, dispensando os dois. E prefiro o Flamengo sendo conduzido com gente que não fica no muro, mesmo que faça burrada do que o chov- não-molha de fazer mimimi em entrevista coletiva depois do fato consumado. Não está agradando? É um direito que assiste ao Flamengo: tchau e benção.

Gostei. Que decisões sejam tomadas em prol do Flamengo sejam assim. É claro que há coisa para melhorar, não sou maluca em falar que está tudo a mil maravilhas. Não está. Inclusive acho que demoraram um cadinho para tomar essa decisão, mas tomaram.

A coragem de escolher uma opção vai fazer um Flamengo melhor, sem ter o disse me disse que tanto faz mal a instituição. Acertar o caminho pode demorar. Mas, pelo menos, estão tentando.

Pelaipe e Jorginho, ao tirarem dois medalhões (pelo que ganham), um prata da casa  e até então titulares de um Fla mengo que não vinha dando certo, tiveram a coragem que outros não tiveram.

Concorda?


O valor de uma boa parceira: obrigada Olympikus!

http://4.bp.blogspot.com/_rg7QOKrnc5c/SGL5Sp-pF6I/AAAAAAAAB4U/Wj5UPZJkY5U/s400/Olympikus+veste+o+Flamengo.JPG

Nunca escondi de ninguém que sou fã da Olympikus. Tenho mantos rubro negros e brancos, camisas de treino, presenteei amigas com Mantos e etc. Pode até haver quem questione a qualidade do material da Olympikus, mas dificl vai ser alguém questionar a qualidade da parceira que o Olympikus teve com o Flamengo.

Dizem que ela teve sorte em chegar ao Flamengo no ano do Hexa. Foi ao contrário, gente: o Flamengo que teve a sorte de ter a Olympikus chegando naquele ano. Graças à ela, o Flamengo faturou como nunca em vendas de camisa, espalhou o vermelho e preto  (já escrevi aqui sobre isso aqui no blog) Brasil ( quiça mundo) afora e pode instituiu o rubro negro ter várias camisas do time, oferencendo vários modelos com preços razoáveis.

Valorizo a Olympikus pelas ações com os torcedores, com os blogueiros, pelas apresentações de uniforme que sempre levaram o Flamengo a mídia e por tratar o Flamengo de uma forma tão respeitosa, coisa que não vínhamos tendo com outros parceiros.

A Olympikus elevou a auto-estima rubro negra, pode acreditar! Faltou conquistarmos a América e o Mundo com a Olympikus mas vamos atrás disso com a Adidas.

Obrigada por tudo, Olympikus. Valeu pela parceiraça que você foi!

O que vem por ai? Flamengo & Adidas - Aguardem http://nblo.gs/Kxe8K

Onde estiver, estarei: um dia no estádio!



Gosto de gente que curte o Flamengo, com o que ele tem de melhor. E graças a esse blog aqui conheci uma penca delas. Gente que faz meu dia mais feliz e que fez a minha relação com o Flamengo melhorar. Sim, eu tenho uma relação com o Mengão. Pago mensalidade e tudo para ele.

Hoje me deparei com um vídeo que me traz a essência do que é o Flamengo. O "onde estiver estarei" sai do papel, do grito do torcedor e vai para a vida de rubro negros comuns, que tem prazer de ver o Flamengo em campo e satisfação de acompanhar o time na arquibancada.

Veja aí o vídeo e duvido você não sorrir e pensar: isso daí é maneiríssimo.



Ter pessoas que eu amo no vídeo, que faz a minha vida melhor diariamente, só me faz ter um orgulho danado deles, além de reforçar a minha certeza que o Flamengo é feito para diversão. É mesmo o meu maior prazer, vê-lo brilhar.

Flamengo é isso! È alegria, é felicidade, é vitória. Flamengo é bom quando estamos com ele, do lado dele, vibrando com ele e, porque não, fazendo loucura por ele.

É isso. Se acompanhar o Mengão no sofá já é bom, imagina do estádio? É óteeeemo!

PS.: A edição está espetacular, né não? :P

Mundo Flamengo: Canal do @CeloCRF

Mundo Flamengo: Canal do @CeloCRF



O Mundo Flamengo foi feito para falar da blogosfera rubro negra, mas acho válido falar de outros "veículos" que exaltem o Flamengo interwebs a fora. Porém, algumas exceções serão feitas e uma delas é para falar do canal de videos no Youtube do CeloCRF!

O Marcelo Barreto, o criador, que já figurou no Fala Nação aqui do blog e é moderador do Mengo Forum,

Com mais de 3 milhões de acesso num segundo canal, já que o primeiro foi encerrado pelo Youtube, é um dos mais completos que tem sobre o Flamengo. E eu adoro!

Como se não bastasse abastecer o seu próprio canal com videos do Flamengo, os videos do Marcelo abastecem outros canais, igualmente rubro negros além de incontáveis posts em blogs que falam da história do Flamengo.

E aí, você já conhecia o canal do Marcelo no Youtube?

Inscreva-se no canal >>> http://www.youtube.com/celocrftv

Siga o Celo CRF no Twitter >>> http://www.twitter.com/celocrfCeloCRF

O doce sabor de ganhar um presente

O doce sabor de ganhar um presente
http://bimg1.mlstatic.com/caixa-de-presente-lembrancinha-time-de-futebol-flamengo_MLB-F-3781163393_022013.jpg

Tem gente que gosta de presentear, tem gente que gosta de ser presenteada. Seja qual for a categoria que você se enquadre, o objeto em questão é (quase) sempre agradável. Ou você é daqueles que respondem um "eu vou te dar um presente" com um "não é desagradável não, né?" AFFFF! Então falarei por mim: sempre quando penso em presente, penso em coisa boa!

Adoro receber presentes, principalmente quando não espero. Junto deles, vem sentimentos bons como alegria, surpresa, agradecimento, sem contar o carinho e o amor de quem está presenteando. Deixa um doce sabor, um cafuné na alma, abre um sorriso no rosto!

É isso que o Nação Rubro Negra está fazendo com quem aderiu ao programa: abrindo um sorriso do rosto de quem recebe ingressos para os jogos que o Flamengo de graça Além disso, para o jogo contra o Remo, armou um translado até o estádio em outra cidade. Ou seja, ir para outra cidade ver o Mengão ficou "pau a pau" em termos de grana em relação a ir ao Engenhão de carro.  É ou não é um incentivo bacanudo para quem é sócio torcedor do Flamengo? Pergunta se quem ganhou e vai para o jogo nesse esquema não está feliz da vida! Para quem fez o sócio torcedor por causa dos ingressos, está tendo uma grata surpresa. É claro que não será para sempre mas aposto que essa aproximação agradou em cheio quem apostou num programa ainda em formação.

Presente bom é assim: quando a gente menos espera, ele vem e preenche nossas necessidades. Essa galera que está recebendo um cafuné do Mengão está felizona!

Afinal de contas, é o nosso maior prazer, vê-lo brilhar!

Segunda-feira feliz é o Flamengo mostrando uma cara bonita!

Segunda-feira feliz é o Flamengo mostrando uma cara bonita!

http://media-cdn.incondicionais.com.br/media/galeria/149/1/6/3/1/n_flamengo_3_rodada_flamengo_vs_fluminense-2761361.jpg

Eita que uma segunda-feira depois de uma vitória num clássico, com uma certa vantagem, é muito mais gostosa que qualquer outra. É dia de sorriso na cara e  gozação em cima daqueles que por um golzinho escaparam das piadinhas infâmes que tanto lhes assombram.  Mas é BOM DEMAIS ganhar, né não?!

É isso, Flamengo! Não precisa dar passe de calcanhar, não precisa ter louco que corre de um lado a outro do campo desobedecendo ordem tática e muito menos medalhões acomodados que nos inervam jogo após jogo. Difícil? Complicado? Impossível de se fazer? Faça-me o favor! Não me venha dizer que o carro foi a motivação que eu nao acredito que isso tudo tenha sido por causa do Pegeout que foi dado ao melhor jogador da partida.  Tem mais coisa por trás e espero que isso faça o Flamengo ter uma cara diferente: uma cara que passa por mais Gabriels (ou seria Gabrieis?) e menos Ibsons, passa por mais determinação e menos acomodação e por mais sorte (ô escorregada danada de boa do Hernane no primeiro gol) e, principalmente, passa por mais vitórias do que derrotas.

Gostei da determinação e de perceber (tomara que eu não esteja errada!) que a cara Flamengo está passando mais pelo Gabriel, menino que ganhou o carro mas vai dividir com os companheiros e por um esboço de um esquema tático do técnico que faltou a aula de "substituição" do estágio na Alemanha.  Flamengo mostrou ontem, pela primeira vez, que parece ter um esquema que está sendo montado. Jogou bem até os 10 minutos do segundo tempo quando o melhor em campo saiu e o Flor começou a pressionar! E mesmo pressionando e com péssimas substituições do treinador, Flamengo segurou o resultado, tendo uma vitória bacanuda! 

É claro que não estou me enganando, que não é por causa da vitória que o Flamengo é candidato a titulo do Brasileiro. Está achando que estou fazendo uma festa muito grande para um jogo que o Flamengo está eliminado e que o Flor jogou sem titulares? Vai aproveitar o Flamengo, usufruindo o que ele tem de melhor. Flamengo existe (ou deveria!) para fazer sorrir, não para fazer xingar. Flamengo é para ser curtido não para ser xingado.

A hora é agora, Flamengo. É hora da virada do jogo, da mudança de paradigma, da mudança de cara feia para linda!

Flamengo, nosso Mengão, mostra a tua cara, linda! Cara de vitória, que é o que combina com a sua magnitude. Torcedor quer ficar assim, felizaço com a vitória. E não tenho dúvidas que o torcedor irá te abraçar mais uma vez. Basta ser Flamengo.

É meu maior prazer, sempre, vê-lo brilhar!

A importância do carioca e a prepotência rubro negra

http://2.bp.blogspot.com/_Wc8vCFK8skM/TJ-fvM3gBmI/AAAAAAAABYU/5vkayPF5604/s400/Fla1x0Vasco_78_Rondinelli.jpg
E pensar que tudo começou num Carioca!


Não estou satisfeita com a eliminação prematura, para não falar embrionária, do Campeonato Carioca. Embora muita gente boa diga que "Carioca não vale nada. Eu quero é o Brasileiro e Libertadores", acho um desperdício jogar um Campeonato Carioca do jeito que o Flamengo jogou esse ano e no ano passado. Mas, pelo menos, no ano passado, chegamos as finais do turno. Pelo andar da carruagem e da prepotência de alguns, ano que vem nem nas finais de turno chegaremos. Duvida? Vai vendo e segue dando a importância que está se dando ao Carioca para ver se os caras que andam vestindo o Manto Sagrado não caem na almofada da acomodação. Porque é isso que está acontecendo.

Sei bem que esse Carioca é diferente do ano passado e será diferente do que virá. Não sou louca, nem insensível para perceber que estamos no início de um trabalho que dará bons frutos ao Flamengo, se Deus quiser! Mas ainda assim, a pouca importância que dão ao Campeonato Carioca me incomoda. E muito! Porque não é coisa desse ano. É coisa de anos anteriores.

Lembro muito bem quando em 2011, depois de ganhar um Carioca invicto e ir bem no Brasileiro, reclamava-se que o Flamengo não jogava como o Flamengo. Rolou muito deboche com essa pessoa que vos escreve porque comemorei Carioca como se fosse titulo do brasileiro e estava feliz o desempenho do Flamengo. Pelo menos, ali tínhamos um time campeão. Hoje, nem isso temos. Uma geração de rubro negros está deixando de lado a tradicional farra da gozação regional, a rivalidade dos domingos com o vizinho vascaíno por causa dessa besteira que o carioca não vale nada. Caíram na lábia da arco-iris recalcada que nem isso ganhava, ouviram tanto o "só ganham o carioca", que deixou o caminho aberto para os rivais regionais. Quem nunca ouviu "ganhar carioca é mole quero ver ganhar brasileiro"? É a história do chamar a gostosa de feia quando se tem uma horrorosa do lado.  A cada vez que leio um "cansei de ganhar carioca" ou "carioca é pouco, quero Libertadores", vejo que a prepotência rubro negra não nos levará a lugar nenhum.

Se o Flamengo em campo é título em disputa, por que fazer distinção de importância de campeonato? Zico, que foi o Zico, assim como a sua geração vitoriosa, que trouxe incontáveis alegrias à Nação, levava o Campeonato Carioca a sério, que audácia é essa, que prepotência é essa, que abuso é esse de achar que o Carioca não vale nada? Querem mudar a história do Flamengo para melhor tendo esse tipo de pensamento?  Se não ganham o mais fácil, se entram em campo de uma forma bisonha, lamentável, sem vontade e esdrúxula no Campeonato Carioca, que, teoricamente, é o mais fácil, vão ganhar o mais difícil? Alooow, em que mundo vocês vivem?

Ganhar ou perder o Carioca é do jogo. Perder um jogo com foi contra o Botafogo, na disputa, em campo, é parte do show.  Eu não gosto, você não gosta, mas faz parte. Mas perder como o Flamengo perdeu esse segundo turno, quase que colocando time reserva, usando como laboratório para um treinador que não diz a que veio é para se lamentar profundamente.  É quase para desistir da esperança que o treinador faça um bom trabalho.

E sabe qual é o pior? Parte da torcida não pode lamentar.  Se a torcida (ou parte dela, que tem todo o direito de ter essa opção. Só não pode reclamar depois!), que é patrimônio do clube, faz pouco caso do Carioca, por que os caras que lá estão se importarão? Não tem incentivo, não tem cobrança, não tem diálogo, não tem tesão, não tem, não tem, não terá  título!

E não, não estou dando muita importância ao Carioca. Só estou dando a importância que ele merece, como um título que a gente sempre disputava, quase sempre ganhava.  Agora, nem final de turno a gente disputa!

E se você me perguntar se é para isso tudo, já que só não ganhamos 2010, 2012 e estamos fora da final da 2013, leia o texto novamente porque você não entendeu nada do que escrevi.


OBS.: O último parágrafo do texto foi uma "homenagem" à prepotência rubro negra. Se você não captou o espirito do texto que não é perder o carioca e sim a forma como perdemos e que é uma parte da torcida (e ela tem todo o direito de ser assim, só não pode reclamar depois!) que incentiva isso, só lamento. E aí, é certo e legal ser prepotente?

Destaque RN: Alberto Borgeth

Destaque RN: Alberto Borgeth




O quanto você sabe da história do Flamengo? O quanto você já procurou saber?

Quantos na história do Flamengo foi "atleta" de remo, jogador de futebol e presidente do clube? Pois é, dou o nome de um: Alberto Borgerth.


Sua história no Flamengo começou em 1906, quando atuou como remador. Ainda jogou futebol no Rio Futebol Clube, espécie de juvenil do Fluminense. Foi campeão de futebol pelo Rio Futebol Clube. Em 1911, começou a jogar no primeiro time do Fluminense. No final deste ano, por causa de um desentendimento interno no clube, passou para o Flamengo, que não tinha seção terrestre e fundou o Departamento de futebol.

Foi bicampeão carioca de futebol pelo Flamengo em 1914 e 1915, sendo o primeiro artilheiro do Flamengo e, em 1915, foi vice-campeão de remo também pelo Flamengo. Era atleta oficial do remo e do futebol do clube, mas, em 1915, abandonou a vida esportiva para se formar em medicina.


Como se não bastasse fundar o futebol do Mengão, em 1927, o Flamengo vivia um momento político muito difícil, com a punição de ficar afastado dos campos por um ano, acabou renunciando. Em seu mandato, o Flamengo ganhou nove títulos em vários esportes diferentes, incluindo, futebol, basquetebol, polo aquático, tênis e atletismo.

Outras atividades esportivas
  • Grande benemérito do Clube de Regatas do Flamengo
  • Membro do Superior Tribunal de Justiça Desportiva
  • Diretor da Confederação Brasileira de Desportos (CBD), hoje Confederação Brasileira de Futebol (CBF)
  • Membro do Conselho Nacional de Desportos (CND)
  • Presidente da Federação Metropolitana de Futebol (FMF), hoje Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FFRJ)

Mundo Flamengo: Blog iFlamengoNews

Mundo Flamengo: Blog iFlamengoNews




Como o próprio blog se define, um portal capaz de reunir informação e interatividade com o torcedor nas redes sociais.

Conheci o blog iFlamengoNews através de um seguidor, pelo Twitter. E, dia após dia, ele  se consolida como um blog que fala do Flamengo em todas as modalidades. Não sei se tem outro que abrange tantas categorias e até mesmo esportes quanto o iFlamengoNews. 

Seja no perfil no blog no twitter, o @iFlamengoNews, seja  no @DataFlamengo, as informações são constantes e atualizadas. 

Não deixe de conhecer.

O preço da cornetagem no Flamengo

O preço da cornetagem no Flamengo
http://www.brasilmidiapr.com.br/loja/product_images/k/cornet_050__40281.jpg


Esse texto não é contra os cornetas. Cornetas são aqueles torcedores que reclamam absurdamente de tudo que é feito em campo, nunca estão satisfeitos com nada e geralmente querem convencer os outros que as suas opiniões estão certas. Quando não conseguem, agem com deboche, com xingamentos e com patrulhamento. Conhece gente assim? Pois é, eu também.

E, como tudo na vida, essas ações tem um preço. Se individualmente a pessoa fica marcada como corneta, coletivamente está trazendo um prejuizo enorme ao Flamengo. Quantos jogadores que eram considerados promessas não só da base, mas que chegaram ao Flamengo como bons jogadores não desenvolveram futebol que poderiam (ou podem) no profissional?  Sabe quem perde com isso?  Pois é!

Aliás, antes de responder mentalmente essas perguntas, eu te faço outra: quantos jogos é necessário para que um jogador atinja um equilibrio de atuações aceitável? (e isso independe de jogador, pois sabemos, ou deveríamos saber, que dias ruins acontecem com qualquer jogador)

Poderia falar nomes que nos faria entrar numa discussão gigantesca sobre esse ou aquele jogador. Afinal de contas, sempre achei que Felipe Mello no Gremio era um absurdo quando o Flamengo tinha Jonatas no time, mas tem gente que não concorda e acha que o Jonatas era o maestro do time.  Questão de opinião! Assim como você pode achar um jogador bom que eu não ache.

Nos últimos tempos, uma penca de jogadores bons (não craques, que substituiriam o Zico, Junior e etc) passaram pelo Flamengo e sem ter uma sequencia, foram embora do clube. Quantos entraram num jogo, não foram bem porque o time nao ia bem, simplesmente desapareceram e foram negociados? Quantos sequer tiveram chance por causa de empresários, situações políticas ou direitos econômicos envolvidos?

Sabe qual é o preço disso? O não aproveitamento de jogadores considerados baratos e aproveitamento de jogadores mais caros, porque tem que ser eles (o exemplo clássico disso é o que ocorre com o Ibson). O Flamengo gasta mais quando poderia gastar menos. Ou o rendimento do Ibson é muito melhor do que seria de um Luiz Antonio, por exemplo?

Uma geração muito boa do Flamengo, que engloba os jogadores campeões da Copinha de 2011 e que tem o custo baixo para o clube,  pode não ser bem aproveitada porque a satisfação de torcedor é ter time de Playstation, onde Roberto Carlos joga como atacante e joga bem.

Sou defensora da formação de um time B (e isso será tema de um post próximo) para que toda essa galera aí mantenha-se fisicamente ativa e quando o time principal precisar, não seja um Deus nos acuda, contando com a sorte para que eles rendam bem.

Se a bola não entra por acaso, você acha que bom desempenho é sorte?

Sete erros do Jorginho no comando do Flamengo


Não estou nem um pouco satisfeita com o desempenho do Flamengo. Perder para Resende, empatar com Duque de Caxias, Audax, ganhar do Bangu nos últimos momentos definitivamente não me satisfaz. Embora eu saiba que é ínicio de trabalho, que a paciència em que imperar e que vem coisa boa por aí, não dá para deixar passar algumas coisas que vem me incomodando bastante no trabalho do novo técnico. 

Portanto, enumerei sete erros que o Little Jorge teve no pouco tempo de trabalho mas que são gritantes! 

Quais deles você concorda?







Se contar o tempo que Alex Silva esteve no Flamengo, qual foi o técnico que o manteve como titular como Jorginho? Mesmo depois de ter sido emprestado e devolvido pelo Cruzeiro, afastado pelo Dorival Júnior, Jorginho o efetivou como titular de uma zaga que não vinha bem. Como se não bastasse isso, era nítido, já no primeiro jogo o quunto Alex Silva não mantém o padrão de jogo de outrora. É lento, não pula em bolas dentro da área deo Flamengo, está sempre mal posicionado e acha que pode ser atacante a hora que quiser, ferrando o sistema defensivo e sobrecarregando companheiros. Para que insistir nele?

E isso inclui não manter a zaga que deu uma certa tranquilidade ao Flamengo no final do Campeonato Brasileiro do ano passado. Se o Wallace não for do tipo de jogador que joga muito em treinamento, não é pelas atuações em jogos que ele é escalado no time titular. Para escalar o Wallace, coloca o Frauches. Pelo menos, tem história com o Manto.




O trabalho do Dorival não era de se jogar fora, tanto que ele não foi mandado embora por desempenho e sim, por grana. A campanha que o Flamengo fez no primeiro turno também não foi ruim. Tínhamos ali um esboço de time, com alguns posicionamentos e direcionamentos que o Jorginho simplesmente ignorou. Começou tudo do zero e os testes que vem fazendo são os mais inacreditáveis possíveis.




Tenho para mim que enquanto os técnicos do Flamengo continuarem insistindo em velhos medalhões, não saíremos dessa draga. Pode ocorrer a melhora, vai dar a impressão que o time só anda com Renato Abreu, Ibson, Léo Moura ou Cleber Santana, mas a verdade é que a melhora que há nunca será no nível que o Flamengo merece e nem dará o "up" que o Flamengo precisa.




Essa eu aprendi no banco da faculdade de Educação Física: time em formação, mexe-se o mínimo possível. E hoje, o Flamengo é um time em formação. Não dá para colocar um jogador que é titular, regular, que dá equilibrio no meio de campo, na lateral direita. Obviamente, perde-se desempenho na lateral direito e deixa de ganhar no meio de campo. Time que está em formação, troca-se seis por meia dúzia, quando é muito necessário. Coloca um júnior na lateral direita mas não coloca meio de campo titular.




Definir jogadores titulares e tentar repeti-los é essencial para o formação e um bom andamento de um time. Se não conseguir repeti-los, troca-se por jogadores com as mesmas características. Parece simples, mas o Jorginho está ansioso demais nesse aspecto. Dorival escolheu um time titular no inicio do trabalho lá no ano passado e assim como escolheu um time titular no inicio desse ano. As coisas desendaram quando ele mudou na estrutura do time. Ou estou errada?




Trocar Nixon por Hernane antes de terminar o primeiro tempo, colocar Ibson no lugar do João Paulo, tirar o Rodolfo de campo quando ele é o melhor em campo são apenas alguns exemplos de como tem sido infeliz o troca-troca do Jorginho nesse time do Flamengo. É como eu ja disse: escolhe um jeito de jogar com os jogadores que tem, insiste num time titular e faz os testes em treinamento. Não adianta fazer substituição no jogo e não treiná-las. Flamengo não é Seleção Brasileira que se reúne uma vez por mês.








Não é Flamengo e nunca será. Pelo menos, não o Flamengo que eu quero e que me acostumei a ter. Flamengo que acostumei a ver ganha dos pequenos com autoridade, leva a sério a obrigação de vencer, vencer e vencer.  Ganhar do Bangu com gol no fim depois de falha do goleiro pode ser tudo, menos SER FLAMENGO! Essa mentalidade tacanha não deveria nem passar perto de um Flamengo que está sendo construído fora de campo.



Esses erros ainda não são pecados, porque a situação não está definida. Para não ser transformados em pecados, eles podem (e devem) ser corrigidos para que não evolua para uma stuação irreversível.

Acredito na boa intenção do Jorginho como técnico e não vou deixar de apoiar porque é o Flamengo em campo. E quando o Flamengo entra em campo, eu tenho mesmo que fazer o meu papel: apoiar e torcer!


Destaque RN: Mozer




Não lembro muito do Mozer jogando com a camisa rubro negra, embora ele tenha jogado quase 7 anos no Flamengo. Quem viu, garante que ele foi um dos grandes zagueiros que portou o manto e o honrou como poucos. Portanto, só isso basta para ele ser um Destaque Rubro Negro.


Desprezado nas categorias dea base do Botafogo por causa de seu porte físico franzino, Mozer chegou ao Flamengo em 1975. Teve que disputar posição com outros grandes jogadores como Rondinelli, Marinho, Luís Pereira e Figueiredo, contudo, na metade de 1981, já era um dos zagueiros titulares do Mengão. Fez parte da campanha vitoriosa do Flamengo na Taça Libertadores da América em 1981, que levou o rubro-negro à decisão do Mundial Interclubes. Mozer foi titular naquela memorável partida contra o Liverpool, que garantiu o Flamengo no rol dos times campeões mundiais.

Em 1987, Mozer saiu do Flamengo e foi jogar no Benfica, clube de Portugal. Impecável na marcação, o zagueiro brasileiro conquistou o coração dos portugueses e título de campeão português na temporada 1988/89, passando a ser idolatrado pela torcida do Benfica. Deixou o clube português três anos depois, quando foi vestir a camisa do Olympique Marseille, da França. Neste novo clube, Mozer sagrou-se tricampeão francês e recebeu o sugestivo apelido de Muralha.

Retornou ao Benfica em 1992, para a alegria dos torcedores do clube, que viram Mozer conquistar mais dois títulos pelo clube: o Campeonato Português de 1993/1994 e a Taça de Portugal de 1992/1993.

Em seguida, o jogador decidiu encarar o desafio de jogar no futebol japonês e assinou contrato com o Kashima Antlers, clube gerenciado pelo velho amigo Zico. Lá, no Japão, Mozer encerrou sua carreira com a conquista do Campeonato Japonês de 1996.


Pós-carreira

Após encerrar sua carreira de jogador, Mozer retornou a Lisboa e abriu um restaurante.

Então, após vários anos afastado do futebol, mais precisamente em 24 de outubro de 2006, Mozer decidiu aceitar a proposta de treinar a equipe angolana do Interclube, primeira divisão do Girabola.

Em julho de 2009, Mozer acertou a sua transferência para treinar o clube marroquino Raja Casablanca.

Em 2010, Mozer acertou a sua transferência para treinar o clube português Naval.

Seus títulso pelo Mengão:
Copa Européia/Sul-Americana: 1981
Copa Libertadores da América: 1981
Campeonato Brasileiro: 1980,1982,1983,1987
Campeonato Carioca: 1981,1986
Taça Guanabara:1980, 1981, 1982,1984
Taça Rio: 1983, 1985, 1986

E ele não foi vitorioso só no Flamengo. Seus titulos no Benfica:
Campeonato Português: 1988-89,1993-94
Taça de Portugal: 1992-93
Supercopa da França:1988/89
Olympique de Marseille
Campeonato Francês: 1989/90, 1990/91, 1991/92

No Kashima Antlers, ganhou a J-League em 1996.

Esse vieo do Mozer, para mim, é especial:


É isso, pessoALL! Mais um rubro negro para nos orgulharmos!

O Flamengo e a paciência

O Flamengo e a paciência
Paciência é uma virtude que desenvolvi ao longo da vida. Para uma
prematura de seis meses e meio, a ansiedade é mesmo a segunda pele.
Com uma voz alta e o imaginação rápida, então, a paciència se faz
necessária para eu desenvolver uma relação bacana com o universo.

E relação bacana é o que eu quero continuar tendo com o Flamengo, por
isso que a minha pacîència está sendo exercicitada, jogo após jogo.
Mesmo com um time que não representa o que eu quero do Flamengo, o
frio na barriga quando ele entra em campo me faz ter a certeza que a
minha paciência faz um bem para essa relação. E, na verdade mesmo,
isso que me importa.

Pessoas amam de jeito diferente. Enquanto uns amam acompanhando o
Flamengo indo a tudo que é estádio do Brasil, outros amam colecionando
coisas em vermelho e preto. Tem os que mantém em local de destaque da
sua casa peças da história do Flamengos e outros que xingam,
esbravejam e ofendem quem não concorda com eles. Podem ser chamados de
loucos, de alucinados, de sem noção e de mal educados, mas todos amam
o Flamengo.

A tristeza que estou sentindo nessa segunda-feira ensolarada é
daquelas que machucam a alma. Sabe aquela decepção que você não
consegue nem brigar com uma pessoa? Aquela que entristece, que você
lamenta, que comenta com os mais próximos o que pode ter acontecido
mas deixa que o tempo se encarrega de amenizar essa tristeza? É tudo o
que eu não queria com o Flamengo, mas, jogo após jogo, é o que
acontece.

Será que a minha relação com o Flamengo está mudando?

Não sei se a minha paciência está exercictada demais, se é esperança
que o Flamengo pode melhorar com as atitudes fora de campo ou se é
resignação que tantos anos agindo erradamente não pode sair
impunemente.

De um montão de coisas, só tenho uma certeza: falta muito para
quarta-feira à noite?

Se está ruim com o Flamengo, pessoALL, imagina o quão ruim estaria sem ele!

Pós Jogo: o que o Flamengo não precisa.

Pós Jogo: o que o Flamengo não precisa.
Imagem inline 1

A derrota contra o Audax, pelo Campeonato Carioca de 2013 e que tirou o Flamengo da disputa quase que na metade da Taça Rio, expôs problemas do Flamengo muito além das quatro linhas. Aliás, não foi só essa derrota: contra o Botafogo e o Resende também colocou o bumbum de fora de muita gente.

Derrota tem mesmo o poder de trazer a reavaliação de uma situação, que traz junto o aprendizado. Quando os resultados não são satisfatórios, temos a tendência, inevitável, de verificar todo o processo para ver aonde aconteceu o erro. Aí, você entra num processo de mudança que demora muito mais tempo do que a própria situação. Se na vida é assim, imagina no futebol.  No futebol, a cada fim de semana de derrota, ainda mais do jeito como o Flamengo anda perdendo, essa reavaliação está sendo semanal. E as mudanças da passo de tartaruga. Uma tartaruga dopada de calmante.

Há algumas coisas mesmo que não podem ser mudadas de uma hora para outra. Porém, outras podem.  E não é possivel que um monte de gente profissional, acostumada com funcionários a vida inteira dos mais diferentes tipos e gêneros, não conseguem identificar que há jogadores que entram em campo atualmente que NÃO IRÃO RENDER o que o Flamengo precisa.

O maior exemplo disso no time atual é o Alex Silva, mas ele não é o único. O Alex Silva pode ter sido campeão no São Paulo, pode ter sido zagueiro do time da CBF, pode ser premiado (???), mas ele não irá render no Flamengo isso. Na primeira passagem pelo clube, ele já demonstrou a inacreditável falta de postura com a instituição Flamengo. A declaração que ele deu ao fim do primeiro tempo, com o time perdendo por uma falha da zaga, dizendo que lee não falhou mas como tudo é culpa dele, foi de um egoísmo, de um egocentrismo, de um deboche, de um abuso inacreditável. Falta de respeito com o Renato Santos, com o técnico que tirou o Renato Santos da sua posição real para mantê-lo em campo que chega impressionar. Para que o Flamengo precisa de um zagueiro experiente que sai de campo cuspindo fogo, aumentando a amargura da derrota?  E como não se bastasse isso, é um desorganizador dentro de campo. A cada subida ao ataque para tentar gol de cabeça, arrebenta o sistema defensivo do Flamengo. Lento, com péssimo posicionamento e não pula em bolas para cabecear. Agora me diz: é indispensável?

Alex Silva não é o único jogador que o Flamengo não precisa. Flamengo também não precisa de atacante que perde gol na cara dele, que passa o jogo inteiro brigando com a bola e não consegue dominá-la, não precisa de meio de campo atacante que entra em campo dormindo, que numa dominada de bola errada arma o contra ataque que origina o gol do adversário e muito menos de técnico que troca o melhor jogador em campo pelo Ibson. Deve ser uma tática nova de vitória trocar o meio de campo ofensivo por um volante e eu não estou sabendo.

A derrota, que traz o aprendizado, me traz também uma certeza: o Flamengo vitorioso não passa pelo ego do Alex Silva, pelas lambanças do Jorginho, pela perebice do Hernane e nem pela falta de comprometimento do elenco de uma forma geral.

Assim como parte da torcida não valoriza o Estadual, assim como a diretoria atual não valoriza o estadual querendo elevar o ticket médio num campeonato esvaziado como esse, esse elenco aí resolveu também não valorizá-lo.

E não me venha com a palhaçada de que não é nada disso. Essa hipocrisia, que vem aos microfones com frases do tipo "o estadual é importante", também é uma coisa que o Flamengo não precisa.

Primeira lição que a turma azul aprendeu mas que os outros, que estão nesse ramo, já aprenderam eu faz tempo: estadual não vale nada, até o Flamengo perdê-lo!