Destaque RN: Cláudio Coutinho






http://www.abril.com.br/imagem/claudio-coutinho-150.jpg

Cláudio Pecego de Moraes Coutinho (Dom Pedrito, 5 de janeiro de 1939 — Rio de Janeiro, 27 de novembro de 1981), foi um militar, preparador físico e treinador de futebol brasileiro, que comandou o Flamengo e a Seleção Brasileira na década de 1970.

Ao ler a história de Claudio Coutinho e tudo que falam dele, uma palavra o define bem: um visionário. Sem papas na língua, desde o ínico foi um ardoroso defensor da europeização dos métodos. Para ele, a seleção brasileira já não dependia mais de craques foras-de-série, mas sim de um esquema em grupo, com disciplina tática. Ele também inventou uma terminologia confusa para descrever seu novo estilo de trabalho, com palavras como o "overlapping", o "ponto futuro" (que descrevia o procedimento em que o jogador fazia a jogada com seu companheiro já se posicionando para receber a bola posteriormente) e a "polivalência" (em que cada jogador passaria a exercer mais de uma função em campo, conceito influenciado pelo Futebol Total holandês de 1974).

Perdeu a Copa de 1978 por um detalhe (Ah, o 6x0 em cima do Peru) e no ano seguinte a Copa do Mundo  voltaria em definitivo ao Flamengo e, pouco tempo depois, conseguiria "dar a volta por cima" na equipe ao ser Tricampeão Estadual em 1978-1979-1979 (Especial) e Campeão Brasileiro em 1980, e, de certa forma, ao ser o "patriarca" do supertime que seria Campeão Mundial Interclubes em 81, já sob o comando de Paulo César Carpegiani, pois Coutinho, magoado com a direção do clube, havia saído da Gávea rumo ao futebol norte-americano.

No rubro-negro, Coutinho obteve sucesso ao misturar seus avançados conhecimentos táticos com o talento individual abundante naquele fantástico time, conseguindo montar um dos maiores esquadrões da história do nosso futebol, um raro caso de uma equipe completa. Com isso, consagrou-se como um de nossos técnicos mais importantes.

No final da temporada de 1981, mesmo ano da consagração de boa parte de seu trabalho, estava em férias no Rio de Janeiro, antes de ingressar no futebol árabe. Exímio mergulhador, no dia 27 de novembro praticava um de seus hobbies, a pesca submarina nas Ilhas Cagarras, arquipélago próximo à Praia de Ipanema, quando morreu afogado, aos 42 anos.



Títulos com o Flamengo

  • Campeoanato Brasileiro de Futebol:1980
  • Campeonato Carioca de Futebol:1978:1979:1979
  • Taça Guanabara de Futebol:1978:1979:1980
  • Taça Rio de Futebol:1978
  • Torneio Cidade de Cuiabá:1976
  • Taça Prefeito do Distrito Federal:1976
  • Taça Geraldo Cleofas Dias Alves: 1976
  • Taça Duque de Caxias: 1976
  • Taça 40 Anos da Radio Nacional: 1976
  • Taça Luiz Aranha:1979
  • 1ºTurno do Campeonato Estadual: 1979
  • 2ºTurno do Campeonato Estadual: 1979
  • 3ºTurno do Campeonato Estadual: 1979
  • Troféu João Batista Figueiredo: 1979
  • Troféu Imprensa: 1979
  • Taça Innocêncio Pereira Leal:1979
  • Taça Jorge Frias de Paula:1979
  • Taça Organizações Globo:1979
  • Torneio Cidade Palma de Mallorca:1978
  • Troféu Ramón de Carranza:1979:1980
  • Troféu Santander:1980
  • Taça Anos de Ouro do Futebol Brasileiro: 1980
  • Troféu João Saldanha: 1980
  • Troféu Perugia: 1980
Com a ajuda do Wikipédia

Comente:



Nenhum comentário

Comente, sempre, com educação. Se você é do Twitter, do Facebook ou de outra rede social, deixe o seu contato para que eu possa agradecer.
Ah, não esqueça nunca: UMA VEZ FLAMENGO, SEMPRE FLAMENGO!

Tecnologia do Blogger.